Mensagens Religiosas

Não há nada mais animador do que quando Deus responde nossas orações por achar algo que perdemos. No meu caso, era uma criança perdida.
Não havia nada de raro naquele dia. Começou como qualquer outro. Era uma tarde quente de verão e os meninos estavam em casas de amigos. Pelo meio da tarde eu decidi comprovar. Fiquei atordoada quando fui verificar Tim e seu amigo me disse que ele tinha saído há algum tempo. – Saído! Eu disse – Onde ele foi? – Eu não sei, seu amigo disse, meio embaraçado.
Então comecei a fazer contatos. Verifiquei com cada amigo de Tim. Seguramente, alguém deve tê-lo visto, eu pensei. Mas não foi o caso. Em nenhum lugar que eu procurei eu consegui alguma pista.
Quando não tinha mais nenhum amigo à procurar, eu fiquei maluca. Minha preocupação aumentou ainda mais quando passou da hora do treino de futebol. Tim não gosta de perder o futebol. Agora era a hora de chamar a polícia. Enquanto esperava por sua chegada, procurei por uma foto atual e tentei lembrar como e o que ele usava naquele dia.
A hora do jantar passou e nenhum sinal de Tim. Enquanto em minha mente passava uma dúzia de cenários, meu coração temeroso orava à Deus.
Finalmente, às 8:00 da noite a caçada terminou. Olhei para fora e vi meu filho suado e cansado, empurrando sua bicicleta com os dois pneus furados. Tinha ido pescar à doze quilômetros de casa e teve que empurrar sua bicicleta por todo o caminho de volta. A visão dele evocou minhas emoções. Eu não estava segura se eu deveria puni-lo ou beijá-lo. Rapidamente dei-lhe um abraço enorme e um beijo.
Depois desta experiência, comecei a pensar no coração de Deus. Eu sei o que se sente quando sua criança está perdida e tudo o que você quer é que ela volte para casa, para você. Quando nos afastamos de Deus, Ele anseia por nos ver de volta à Ele, como um pai com uma criança perdida.
E assim como fiz com meu filho, Ele nos receberá com os braços abertos!

Certa vez, um jardineiro encantado com uma linda roseira que plantara, resolveu colher uma linda rosa para oferecê-la a quem mais estimava.
Ao entregar a linda rosa, a pessoa que a recebeu deixou sair em bem alto som um aaaiiiiii!
Sentindo-se muito envergonhado e desapontado, o jardineiro abaixou-se e recolheu a rosa.
E, não demonstrando tão grande admiração pela sua oferta, desculpou-se e saiu...
Ouviu-se então uma voz: Espere não se vá!
Um pouco cabisbaixo, virou-se e ficou à espera de uma rajada de palavras duras ou murmurações que pudessem sair da boca daquela tão admirada pessoa a quem ofereceu a rosa.
Para sua surpresa, ouve-se um... MUITO OBRIGADA!
Perplexo e não acreditando no que acabara de ouvir, arriscou em fazer esta pergunta:
Obrigado por quê? Como ousas agradecer-me por algo que te feriu?
E a resposta veio numa suave e meiga voz... Não me feriu, apenas deixará uma marca para que eu jamais me esqueça deste teu gesto singelo.
Esta história faz-me lembrar o que o Apóstolo Paulo disse em 2 Coríntios 12.7: ?E, para que me não exaltasse pelas excelências das revelações, foi-me dado um espinho na carne...?.
Muitas vezes é necessário que Deus permita uma marca em nós. Muitas vezes esta marca vem com a mais nobre das intenções, como foram as das mãos de Jesus, com a pretensão de salvação para todos quantos a almejarem.
São as marcas que nos fazem lembrar quanto Deus nos ama e quanto Ele se preocupa conosco.
Se hoje recebeste algum presente que te deixou marcas, agradece!
Não permitas que o Jardineiro, que muito te estima, se retire com o som estridente do teu aaiiii!...
... Sem que Ele ouça o teu muito obrigado pelos espinhos!
E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza... Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo.
Porque, quando estou fraco, então, sou forte. (2 Coríntios 12.9,10)

Senhor, Proteja as nossas dúvidas, porque a dúvida é uma maneira de rezar. É ela que nos faz crescer, porque nos obriga a olhar sem medo para as muitas respostas de uma mesma pergunta.
E para que isso seja possível, Senhor, Proteja as nossas decisões, porque a decisão é uma maneira de rezar. Dai-nos coragem para, depois da dúvida sermos capazes de escolher entre um caminho e outro. Que o nosso sim seja sempre um sim, e que nosso não seja sempre um não. Que uma vez escolhido o caminho, jamais olhemos para trás, nem deixemos que nossa alma seja corroída pelo remorso.
E para que isso seja possível, Senhor, Proteja as nossas ações, porque a ação é uma maneira de rezar. Fazei com que o pão nosso de cada dia seja fruto do melhor que levamos dentro de nós mesmos. Que possamos, através do trabalho e da ação, compartilhar um pouco do amor que recebemos.
E para que tudo isso seja possível, Senhor, Dai-nos sempre entusiasmo, porque o entusiasmo é uma maneira de rezar. É ele que nos liga aos Céus e à Terra, aos homens e às crianças, e nos diz que tudo é possível, desde que estejamos totalmente comprometidos com o que fazemos.
E para que isto seja possível, Senhor, Proteja-nos, porque a vida é a única maneira que temos para manifestar o Teu milagre. Que a terra continue transformando a semente em trigo, que nós continuemos transmutando o trigo em pão. E isto só é possível se tivermos "Amor". Portanto, nunca nos deixe em solidão.
Dai-nos sempre a Tua companhia, e a companhia de homens e mulheres que têm dúvidas, agem, sonham, se entusiasmam, e vivem como se cada dia fosse totalmente dedicado à Tua glória. Amém.

Você, que reclama o que não recebe, já pensou no que não dá? Você, que se lamenta porque sofre, já pensou no quanto faz sofrer? Você, que acusa a ignorância, já avaliou seus conhecimentos?
Você, que condena o erro, já percebeu quanto erra? Você, que se diz amigo sincero, já se analisou com sinceridade? Você, que se queixa da penúria, já viu quanto possui mais que os outros?
Você, que critica o mundo, já fez algo para melhorá-lo? Você, que sonha com o céu, quanto já fez para extinguir o inferno? Você, que se diz modesto, não terá orgulho de parecer humilde?
Você, que condena o mal, tem procurado difundir o bem? Você, que deplora a indiferença, tem semeado o amor? Você, que se aflige com a pobreza, tem usado bem suas riquezas?
Você, que se dói com os espinhos, tem cultivado rosas? Você, que tanto lamenta as trevas, tem espalhado luz? Você, que se ocupa consigo mesmo, tem se preocupado com os outros?
Você, que se sente tão pequenino, tem procurado crescer? Você, que se queixa da solidão, tem buscado companhia de um amigo? Você, que se revolta contra a doença, que tem feito pela saúde?
Você, que almeja a concórdia, tem combatido a discórdia? Você, que se diz servo de Deus, tem servido para alguma coisa?

Eu vi Jesus semana passada. Ele usava calça jeans e uma velha camisa. Ele estava no escritório, estava sozinho e trabalhando duro. Por apenas um instante ele me olhou como um de meus colegas. Mas era Jesus, eu pude notar pelo seu sorriso.
Eu vi Jesus domingo passado. Ele ensinava para uma turma na evangelização. Ele não falava alto e nem usava longas palavras, mas você podia ver como Ele acreditava no que dizia. Por apenas um instante, ele se pareceu com meu evangelizador. Mas era Jesus, eu pude notar por sua voz amorosa.
Eu vi Jesus ontem. Estava no hospital visitando um amigo que estava doente. Oravam juntos, calmamente. Por apenas um instante ele se pareceu com um pastor. Mas era Jesus, eu pude notar pelas lágrimas em seus olhos.
Eu vi Jesus outro dia, Ele me trazia um prato cheio porque eu estava doente. Por apenas um instante, eu pensei que era Ele, com suas suaves mãos afagando meu ombro. Pensei que era Ele, mas parecia-se com minha doce vizinha. Mas era Jesus, eu sei porque eu pude senti-lo em minha alma.
Eu vi Jesus hoje de manhã. Estava em minha cozinha fazendo meu desjejum e me preparando um almoço especial. Por apenas um instante ele se pareceu com minha mãe. Mas era Jesus, eu pude sentir o amor do seu coração.
Eu vejo Jesus em toda parte, levando alimento ao doente, recebendo as pessoas em seu lar, sendo amigável ao recém-chegado... E apenas por instante eu acho que Ele se parece com alguém que eu conheço. Mas é sempre Jesus, eu posso perceber pelo jeito como Ele serve.

Dizem que isto aconteceu em um mosteiro chinês muito tempo atrás.
Um discípulo chegou para seu mestre e perguntou:
– Mestre, por que devemos ler e decorar a Palavra de Deus se nós não conseguimos memorizar tudo e com o tempo acabamos esquecendo? Somos obrigados a constantemente decorar de novo o que já esquecemos.
O mestre não respondeu imediatamente ao seu discípulo. Ele ficou olhando para o horizonte por alguns minutos e depois ordenou ao discípulo:
– Pegue aquele cesto de junco, desça até o riacho, encha o cesto de água e traga até aqui.
O discípulo olhou para o cesto sujo e achou muito estranha a ordem do mestre, mas, mesmo assim, obedeceu. Pegou o cesto, desceu os cem degraus da escadaria do mosteiro até o riacho, encheu o cesto de água e começou a subir de volta. Como o cesto era todo cheio de furos, a água foi escorrendo e quando chegou até o mestre já não restava nada.
O mestre perguntou-lhe:
– Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo olhou para o cesto vazio e disse, jocosamente:
– Aprendi que cesto de junco não segura água.
O mestre ordenou-lhe que repetisse o processo de novo. Quando o discípulo voltou com o cesto vazio novamente, o mestre perguntou-lhe:
– Então, meu filho, e agora, o que você aprendeu?
O discípulo novamente respondeu com sarcasmo:
– Que cesto furado não segura água.
O mestre, então, continuou ordenando que o discípulo repetisse a tarefa. Depois da décima vez, o discípulo estava desesperadamente exausto de tanto descer e subir as escadarias. Porém, quando o mestre lhe perguntou de novo:
– Então, meu filho, o que você aprendeu?
O discípulo, olhando para dentro do cesto, percebeu admirado:
– O cesto está limpo! Apesar de não segurar a água, a repetição constante de encher o cesto acabou por lavá-lo e deixá-lo limpo.
O mestre, por fim, concluiu:
– Não importa que você não consiga decorar todas as passagens da Bíblia que você lê, o que importa, na verdade, é que no processo a sua mente e a sua vida ficam limpas diante de Deus.

Encomendou-se certa vez a sete lenhadores uma porção de lenha serrada. O primeiro lenhador disse: "Esta lenha está verde, e a serra assim não correrá bem. Esperarei até que a lenha esteja seca". E assim fez.
O segundo lenhador disse: "Esta serra está cega, e nunca terminarei de serrar a minha porção de lenha. Pedirei ao patrão que a mande afiar, e então serrarei a lenha.
" E assim fez. O terceiro lenhador disse: "Esta lenha tem tantos nós que me custará muito serrá-la. Pedirei ao patrão que em lugar dela me dê outra, mais direita, e esta serrarei com todo gosto." E assim fez. O quarto lenhador disse: "Esta lenha é dura demais para ser serrada. Direi ao patrão que a troque por lenha mais branda, e então serrarei." E assim fez.
O quinto lenhador disse: "Hoje faz muito calor. Esperarei até que o tempo refresque um pouco."
E assim fez. O sexto lenhador disse: "Dói-me terrivelmente a cabeça. Esperarei até que me sinta melhor". E assim fez. O sétimo lenhador teve que serrar lenha verde, nodosa e muito dura. Sua serra também estava embotada, e doía-lhe a cabeça. Além do mais, fazia para ele o mesmo calor que fazia aos outros. Mas afiou a serra, de modo que serrava com toda facilidade a lenha mais dura e nodosa. O exercício tirou- lhe a dor de cabeça e o fez sentir-se bem.
No fim do dia o patrão o incumbiu de serrar as outras seis porções de lenha. Quando olhamos para as dificuldades, não fazemos aquilo que devíamos ter feito. Um dia, Jesus Cristo o Filho de Deus nasceu, tornou-se homem e não olhando para o sofrimento da cruz, escolheu morrer no seu lugar, para lhe dar a vida eterna.

Um Cristão e um fabricante de sabão certo dia se encontraram e, enquanto caminhavam, começaram a conversar. Aí o fabricante de sabão disse:
O Evangelho, a Palavra de Deus, as coisas que vocês ensinam sobre fé e amor na igreja, não traz grande benefício às pessoas, pois ainda se vê muita miséria, ganância, brigas, fofocas, muita gente passando necessidade.
Continuaram a caminhar e ambos se depararam com um grupo de meninos sujos que brincavam na lama.
O sabão não tem trazido grandes benefícios observou o cristão, pois ainda existe muita sujeira e muita gente suja.
Aí o fabricante de sabão rapidamente falou: O sabão é muito bom, mas precisa ser usado.
Exatamente, disse o cristão, Com o Evangelho, com os ensinamentos de Cristo também é assim: Ele precisa ser usado e aplicado à vida. Lucas 11.28: Bem-Aventurados são os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam.

Quando conseguimos aquietar o nosso espírito, driblar com sabedoria as agitações da nossa mente, os medos do nosso coração, as expectativas da nossa alma, em relação ao amanhã...
Quando entregamos ao Pai as emoções que não compreendemos, as dores que não suportamos...
Quando, como uma criança, nos deixamos guiar pela harmonia do universo, que a tudo contempla e considera, sentimos Deus...
Sentimos o nosso Paizinho de amo tocar o nosso coração, afagar nossas preocupações, acalentar nossas dores, fazendo a esperança florescer...
Estejamos atentos aos sinais, discretos, sublimes, que o Pai, envia à nossa alma...
Ainda que o céu se encha de nuvens, ainda que para renovar-se a lua se esconda, ainda que um dia, dorminhocas, as estrelas se esqueçam de brilhar...
Ainda que um dia, a borboleta decida não mais sair do casulo, ainda que as flores resolvam se importar com os espinhos, pare, e de alma rendida ao criador, tente sentir a perfeita lógica, oculta nas entrelinhas, a justificar luminosa, a glória Divina de todos os acontecimentos...

Um dia na igreja eu me sentei num banco e ouvi o pregador dizer: – Nós precisamos de alguém para dar algumas aulas. Quem assumirá essa tarefa?
Eu senti Deus ao meu lado, sussurrando: – Filho, essa é para você.
– Mas, Senhor, falar para tanta gente é uma coisa que não sei fazer! O Sr. Carlos seria o homem ideal para chamar. Não há o que ele não saiba fazer. Eu prefiro ficar aqui no banco assistindo às suas aulas.
Um outro dia, ouvindo o coral, eu sentado no banco, escutei o maestro dizer: – Nós precisamos de alguém para voz principal nos cânticos. Quem quer assumir essa tarefa?
Novamente eu ouvi a voz de Deus sussurrando: – Filho, essa é com você.
– Mas, Senhor, cantar diante de uma multidão é uma coisa que eu não posso fazer! Mas há o Jonas, que poderá fazer isso. É melhor eu ficar ouvindo as músicas aqui sentado no banco.
Uma outra vez, eu sentado no banco, ouvi o pregador dizer: – Eu preciso de alguém para atuar como anfitrião na entrada da Igreja. Quem aceita essa tarefa?
Mais uma vez ouvi a voz de Deus sussurrando: – Filho, é algo que você pode fazer!
– Senhor, ficar falando com estranhos é coisa que não consigo fazer! Mas há o Mário, Senhor: ele pode dar boas vindas às pessoas. Não é retraído como eu e fará isso muito bem. Eu preferiria que alguém viesse me cumprimentar aqui no banco.
Os anos se passaram e eu nunca mais ouvi aquela voz. Até que uma noite eu fechei os olhos e acordei numa praia do céu. Éramos quatro lá, encontrando a eternidade: Carlos, Jonas, Mário e eu.
Deus nos disse: – Eu preciso só de 3 de vocês para fazerem um trabalho para mim.
– Senhor, eu farei o trabalho. – eu clamei – Não há nada que eu não faria.
... Mas Deus me respondeu: – Obrigado, meu filho, mas sinto muito: no céu não há bancos.

Num dia quente de verão, no sul da Florida, um garoto decidiu ir nadar no lago atrás de sua casa.
Saiu a correr pela porta traseira, atirou-se à água e ficou a nadar feliz.
A sua mãe, de casa olhava pela janela, e viu com horror o que estava a acontecer.
Correu atrás do filho gritando o mais forte que podia.
Ouvindo a mãe, o menino ficou impressionado, e foi nadando até ela. Porém era tarde, demasiado tarde.
Mas a mãe conseguiu agarrar o menino pelos braços no preciso momento em que o animal agarrava as suas pernas. A mulher lutava determinada, com toda a força do seu coração.
O crocodilo era mais forte, mas a mãe era muito mais apaixonada e o seu amor não a abandonava.
Um senhor que escutou os gritos correu para o lugar com uma pistola e matou o crocodilo.
O menino sobreviveu e, embora que as suas pernas tenham sofrido bastante, pôde voltar a caminhar.
Quando saiu do trauma, um enfermeiro perguntou-lhe se queria mostrar as cicatrizes das suas pernas.
O menino levantou o lençol e mostrou ao rapaz.
Então, com grande orgulho e arregaçando as mangas disse: Mas as que você deve ver são estas".
Eram as marcas das unhas da sua mãe que haviam pressionado com força a sua pele.
Tenho estas marcas porque a minha mãe não me soltou e salvou a minha vida".
Nós também temos cicatrizes de um passado doloroso.
Algumas foram causadas pelos nossos pecados, por pequenas ou grandes falhas, por desobediência, mas algumas foram das unhas de Deus que nos segurou com força para que não caíssemos nas garras do mal.
Por isso, lembra-te que se alguma vez te doeu a alma, foi porque Deus te agarrou com força para que não caísses.

Você diz: "Isso é impossível" Deus diz: "Tudo é possível" (Lucas 18:27)
Você diz: "Eu já estou cansado" Deus diz: "Eu te darei o repouso" (Mateus 11:28-30)
Você diz: "Ninguém me ama de verdade" Deus diz: "Eu te amo" (João 3:16 & João 13:34)
Você diz: "Não tenho condições" Deus diz: "Minha graça é suficiente" (II. Corintos 12:9)
Você diz: "Não vejo saída" Deus diz: "Eu guiarei teus passos" (Provérbios 3:5-6)
Você diz: "Eu não posso fazer" Deus diz: "Você pode fazer tudo" (Filipenses 4:13)
Você diz: "Estou angustiado" Deus diz: "Eu te livrarei da angustia" (Salmos 90:15)
Você diz: "Não vale a pena" Deus diz: "Tudo vale a pena" (Romanos 8:28)
Você diz: "Eu não mereço perdão" Deus diz: "Eu te perdoo" (I Epistola de São João 1:9 & Romanos 8:1)
Você diz: "Não vou conseguir" Deus diz: "Eu suprirei todas as suas necessidades" (Filipenses 4:19)
Você diz: "Estou com medo" Deus diz: "Eu não te dei um espírito de medo" (II. Timóteo 1:7)
Você diz: "Estou sempre frustrado e preocupado" Deus diz: "Confiai-me todas as suas preocupações" (I Pedro 5:7)
Você diz: "Eu não tenho talento suficiente" Deus diz: "Eu te dou sabedoria" (I Corintos 1:30)
Você diz: "Não tenho fé" Deus diz: "Eu dei a cada um uma medida de fé" (Romanos 12:3)
Você diz: "Eu me sinto só e desamparado" Deus diz: "Eu nunca te deixarei nem desampararei" (Hebreus 13:5)

Deus, Senhor de toda a força e poder, dá-me hoje a
Segurança do Teu temor e a certeza de que estás comigo.
Peço ajuda e Proteção nesta hora tão difícil de minha vida.
Preciso de Tua assistência, do Teu Amor e de Tua Misericórdia.
Tira de mim o medo, tira de mim esta dúvida, esclarecendo
O meu espírito abatido, com a luz que iluminou o Teu Divino
Filho Jesus Cristo, aqui na terra.
Que eu possa perceber toda a grandeza de Tua presença em mim
Soprando o teu Espírito dentro de mim, para que eu me sinta
Hora por hora, minuto por minuto.
Que eu sinta o Teu Espírito e Tua Voz
dentro de mim e ao meu redor.
Em minhas decisões e no decorrer deste dia, que eu sinta o Teu
maravilhoso poder pela oração e com este poder,
Espero pelos milagres que podes realizar
em favor dos meus problemas.
Não me deixe, levanta meu espírito,
quando me encontrar abatido.
Entrego - te neste dia a minha vida e a da minha família.
Livra - me de minhas moléstias ainda que seja por milagre,
Obrigado meu Mestre, meu Senhor, meu Irmão e meu Amigo.
Sei que vais me dar a solução de que tanto preciso e desejo
Amém!

Lá está ele, olhar triste a contemplar o céu Erguido está o instrumento de tortura Olhos suplicantes numa triste amargura A neblina da tarde torna-se um espesso véu
Algozes zombam do homem na cruz E ele ao Pai clama o sincero perdão Numa súplica ardente a olhar a luz No auge do sofrimento Ele é só coração
Pai, meu Pai, perdoa-lhes, eles não sabem Eles não sabem meu Pai o que fazem, perdão E dos céus ele espera uma mensagem O Homem na cruz é só amor, é só emoção
Profundas feridas na pele, respiração arfante Grossas gotas de sangue caem, será que em vão? Espinhos perfuram sua pele, a dor é excruciante E Ele ao Pai implora que os perdoe de coração
Posto Ele foi ao meio de ladrões, de meliantes O Filho do criador, que ao mundo trouxe só amor Que aos enfermos curou é Ele o Mestre, o viajante O homem na cruz que ali está dilacerado em dor
A mãe chora pelo divino filho que tanto amou Ao apóstolo amado Ele entrega sua mãe querida No extremo da dor a gratidão ao ventre que o gerou E lágrimas jorram dos olhos, agora a despedida
As trevas à noite invadem e trovões anunciam o fim Ele se vai por amor, o céu Ele olha e contempla a luz Nas mãos do Pai, o espírito entrega, morreu por ti e por mim Erguido no alto a olhar por nós sempre estará o Homem na cruz

Ao chegar ao céu, certo homem é recebido com festas e conduzido a uma casa que será a sua morada celestial. Ao entrar, percorre-a de ponta a ponta. A casa é belíssima. Ele não se contém de tanta alegria.
Na sala há centenas de pacotes de presente. Após confirmar com o anjo que todos eles são seus, o homem resolve abri-los. Escolhe logo o maior. Abre o pacote com a avidez de uma criança no Natal. Tentando imaginar o conteúdo, ele se depara com... uma bicicleta.
Olha para o anjo, um pouco desapontado, e pergunta: – Não vou poder voar como você?
- Sim, responde o anjo, você poderá voar quanto quiser.
- Então não precisarei de uma bicicleta?
- Não, necessariamente.
- Engraçado, diz o homem, lá na Terra eu precisava tanto de uma bicicleta. Eu era tão pobre e tudo era tão longe e tão difícil. Agora que eu não preciso, ganho uma. Não consigo entender.
Ele pega um outro presente, um pacotinho que estava no chão, e o abre. É dinheiro. Dinheiro da Terra.
Ainda mais confuso, olha para o anjo, que antevendo a pergunta, já vai dizendo: – Não, você não precisará de dinheiro aqui. No céu é tudo de graça.
- Não consigo entender, diz o homem, ganhar um dinheirão como esse teria feito um bem enorme para mim lá na Terra, mas, aqui... o quê isso significa?
Ajude-me, anjo, ajude-me a entender. Porque estou recebendo aqui no céu estes presentes que não preciso? Porque não os recebi lá na Terra?
- Eles eram seus, mas você não os recebeu porque não pediu. Acabaram ficando aí, estocados na sua sala.
"PEDI E DAR-SE-VOS-Á..." – Mateus 7.7

Amo a vida, dela faço-me eterna amante!
Ela faz-me suspirar, sonhar, fantasiar, amar...
Nela tenho o irmão Sol, que despertar-me e irradia meu dia com seus raios, mesmo quando a chuva teima deixar-me melancolia...
Vida que me faz sorrir dentro de mim mesma,
Ah..! Cerro os olhos e danço nos braços da imaginação!
Imaginação essa que faz-me viva,
Minha vida são mil cores, um arco-íris a cada amanhecer!
Tenho a mãe natureza que faz-me sonhar, pensar.
Que faz-me ter fé na humanidade, na vida!
Que faz-me sentir a beleza a cada detalhes que a natureza nos brinda!
Que faz-me amar!
Que faz-me ser Gente!
Vida, presente de Deus!

Certa vez, um vaga-lume chamado Spy voava pela floresta e, como de costume, percorria determinado caminho para ir a sua casa. No meio do caminho, Spy notou a presença de um outro animal, mas não deu muita atenção, porque se tratava de uma cobra. um bicho que nunca o incomodou.
Spy continuava a voar e percebeu que a cobra começou a segui-lo. Quanto mais rapidamente Spy voava, mais rapidamente a cobra o seguia. Em determinado momento, Spy cansou-se de voar em alta velocidade e, vendo que a cobra estava cada vez mais perto, resolveu parar. A cobra demonstrava raiva e deixava clara a intenção de devorá-lo.
Spy, exausto e vendo que seria devorado pela cobra, pediu um minuto antes do ataque mortal e perguntou: Por que tu me segues? Por que tu queres me matar? E a cobra respondeu: Não sei! Spy então falou: Eu nem faço parte da tua cadeia alimentar! Eu não te fiz nada! A cobra diz: Eu sei! Spy, vendo que mesmo assim seria devorado, fez a última pergunta: Afinal de contas, por que tu me seguiste e agora queres me matar?
A cobra enfim responde:
Ora, vaga-lume, eu odeio ver alguém brilhar na minha frente. Quando a cobra foi atacá-lo, Spy apagou sua luz por alguns instantes e conseguiu se esconder da cobra invejosa. Spy conseguiu fugir e sobreviver, mas teve que apagar o seu brilho por alguns instantes. Essa história, de um autor desconhecido, mostra que a inveja é, sem dúvida, um dos grandes malefícios da humanidade. Mas por mais que existam cobras em todos os lugares tentando apagar o brilho dos vaga-lumes, e muitas vezes até conseguindo incomodar e prejudicar o próximo, ofuscando provisoriamente seu brilho,
Deus nunca deixará que apaguem o brilho de uma estrela boa e fiel aos seus princípios, pois elas trazem o bem para consigo e para os que necessitam de luz.

Certo dia, um rapaz desiludido resolveu seguir o exemplo dos "contos da infância". Colocou-se frente ao seu espelho e perguntou:
– Querido espelho, olhe para mim e me diga: Existe alguém mais infeliz do que eu?
– Com certeza, respondeu o espelho, existe alguém mais triste que tu neste momento. E este alguém sou eu.
O rapaz olhou espantado. Não esperasse que um espelho falasse, e ainda contra ele. Mas o espelho prosseguiu:
– Tu não imaginas a dor que eu sinto ao ver, no meu reflexo, uma pessoa que deixou seus problemas tomarem conta de sua vida, que não tem mais vontade de lutar e principalmente que não consegue ver dentro de si as suas qualidades suas capacidades, seu talento. Queria que estivesse no meu lugar pra ver.
– Tu és uma pessoa tão inteligente, que fala para todos que tem um Deus, e tantas vezes falou do amor de Deus, agora se mostra tão derrotado. Deus é tão pequeno assim em tua vida para que tu te sintas tão inferior assim?
– É pena que tu não vejas através de mim toda a tua facilidade em lidar com as pessoas, o quanto é expressiva a tua voz e tua palavra, quanto teu coração é forte, e o quanto as pessoas te amam. Olhe para ti! Levanta essa cabeça, pois dificuldades todos temos, assim como todos guardam dentro de si algo especial para dar, a capacidade de tornar a própria vida prazerosa.
– Quantas são as pessoas que gostariam de ser como tu és: saudável, inteligente e com toda a vida pela frente! e no entanto, muitas delas são felizes e agradecem à Deus pelas suas vidas! Use a tua sensibilidade – ela é essencial para a vida. Motive-se: ao acordar pela manhã, pense algo do tipo: "hoje meu dia será produtivo, alegre e cheio de vida, pois tenho Deus comigo.". Faça isso com amor no coração e concentre em teus objetivos. De hoje em diante, quero ver outra imagem refletida em mim. Uma imagem de alegria interior.

Urgentemente de pessoas ambos os sexos, sem limite de idade:
CARPINTEIRO: para serrar a madeira da incompreensão e pregar os pregos do amor.
SERVENTE: para preparar a massa da boa vontade, derramando o cimento da fé e o cal da compreensão.
ENCANADOR: para canalizar a água viva da verdade na direção daqueles que tem sede de conhecimento.
ELETRICISTA: para a corrente da fé, auxiliando a levar a Luz aos que se acham nas trevas da ignorância.
APRENDIZES: vagas sempre abertas para aqueles que possuem boa vontade.
MESTRES: NÃO HÁ VAGAS! Temos um só que é superior a todos: JESUS CRISTO, O SENHOR!
ADMISSÃO IMEDIATA!
REQUISITO BÁSICO: reconhecer e aceitar Jesus Cristo como o único, o suficiente e verdadeiro Salvador e Senhor.
E VOCÊ? O QUE ESTÁ ESPERANDO?

Um dos professores de Sally, o professor Thornton, era conhecido por suas elaboradas lições praticas. Certo dia, quando Sally entrou em sua classe, notou que existia um grande alvo na parede e muitos dardos sobre a mesa mais próxima.
Iniciada a aula, o professor Thornton disse aos alunos para desenhar um retrato de alguém que eles não gostavam ou de alguém que lhes aborrecia... e ele permitiria aos alunos lançar dardos naquele retrato daquela pessoa. Uma garota sentada ao lado de Sally desenhou um retrato de uma menina que lhe roubara o namorado. Outro amigo desenhou um retrato de seu irmão mais novo.
Sally desenhou um retrato do próprio professor Thornton, colocando muitos detalhes em seu desenho, até desenhando espinhas em seu rosto. Sally ficou contente com o efeito alcançado.
A turma alinhou-se e começou a lançar dardos, com muito riso e balbúrdia. Alguns dos alunos lançaram seus dardos com tanta força que seus alvos estavam completamente destruídos. Sally esperou ansiosamente por sua vez... e ficou muito decepcionada quando o professor Thornton, por causa do limite de tempo, pediu aos alunos para retornar à suas cadeiras.
Enquanto Sally sentava pensando sobre o quão brava ela estava por não ter tido a chance de lançar dardos em seu alvo, o professor Thornton removeu o alvo da parede.
Debaixo do alvo havia um retrato de Jesus...
Um silencio inquietante caiu sobre a sala quando cada aluno viu o mutilado retrato de Jesus. buracos e marcas cobriam Seu rosto e Seus olhos estavam perfurados.
O professor Thornton disse apenas estas palavras, – Tanto como vocês fazem aos meus irmãos, vocês fazem à Mim.
Nenhuma outra palavra era necessária. os olhos de cada aluno focavam apenas o retrato de Cristo. Os alunos permaneceram em suas cadeiras... até que o sino tocou. Então eles lentamente deixaram a sala de aula, num silêncio jamais observado na turma.

Era tempo de Natal e um homem observava as pessoas apressadas em uma espécie de marcha. Olhava fixamente todas as luzes do Natal, enfeites em toda parte, no centro do shopping Papai Noel com crianças no colo.
O shopping lotado de pessoas andando pra lá e pra cá, algumas sorrindo e algumas com frontes franzidas e outras muito cansadas. Descansavam nos bancos ou apressavam-se em seu caminho lutando contra a multidão para levar as compras para casa.
A música alta e Papai Noel, e neve, e até uma rena engraçada. Ouviu as pessoas falarem sobre os bons tempos, das festas, do divertimento e da comida farta, e dos presentes que trocariam nesse dia.
– Eu gostaria de saber um pouco mais sobre o que está acontecendo. – Ouviram o homem dizer – Parece haver algum tipo de celebração. E você que está todo vestido em vermelho e branco, pode me explicar? E porque as crianças lhe perguntam sobre uma noite especial?
A resposta veio descrente, – Não posso acreditar em meus ouvidos! Não posso acreditar que você não sabe que é tempo de Natal. O dia que Papai Noel distribui presentes para meninas e meninos, enquanto estão dormindo. Deixa-lhes livros e brinquedos.
– O homem que você vê de vermelho e branco é Papai Noel. As crianças adoram seu riso alegre e seus olhos brilham. Seus presentes estão no trenó que é puxado pelas renas que voam rapidamente, daqui pra lá e de lá pra cá.
– As crianças aprendem sobre Papai Noel quando ainda são pequenas. Quando chega o Natal, é o mais importante de tudo!
O desconhecido deixou cair a cabeça, entristecido, e fechou a mão perfurada por um prego. Seu corpo agitou-se em descrença, ele não compreendia. Uma sombra cruzou sua face, sua voz soou baixa mas claramente, – Depois de todos estes anos, ainda não aprenderam. E uma lágrima verteu no rosto de Jesus.

Deixe sua emoção falar por algumas horas... Solte o sorriso preso pela correria da sua rotina, abra os braços e abrace a vida.
Deixe seu espírito encontrar Deus, sinta a leveza desse encontro mudando a sua vida...
Por algumas horas do seu dia, desligue-se das coisas materiais e cure a sua alma...
Retire de dentro do seu coração toda mágoa, todo ressentimento e sofrimento que tanto lhe incomoda... Deus vai encontrar com você, segurar em suas mãos e lhe conduzir no caminho certo.
Não se desespere! Mas pergunte a Deus o que e como deve fazer as suas tarefas. deixando que Ele cuide da sua vida. As coisas ficarão mais fáceis e muito mais alegres de se viver...
Deixe sua emoção falar por você, conte a Deus a sua vida. Faça isso algumas horas do seu tempo, e cada vez mais, vai querer ter mais tempo com Deus!

Não coloque o sofrimento na raiva de Deus.
Ele não está com raiva, ele não atrapalha.
Vá até a fonte de seus problemas e você não encontrará um Deus raivoso ou desonrado. Mas encontrará a soberania de Deus. Sua dor tem um propósito. Seus problemas, suas batalhas, seus pesares e sua dificuldades convergem em direção a um fim - a glória de Deus.
Não é tarefa fácil. Não para mim, nem para você. Nem para o homem cego ao lado da estrada. Quando Jesus e seus seguidores passaram por ele, os discípulos fizeram uma pergunta(Jo 9.1-3). Queriam colocar a culpa em alguém pela situação de lástima em que se encontrava o cego. Deus usará o que quiser para mostrar sua glória. Céus e estrelas. Histórias e nações. Um casal sequestrado na Filipinas. Alguém muito doente. Em vez de ressentir com seu problema, explore-o. Pondere. Use-o para a glória de Deus. Por meio de da luta, da morte, de seus problemas e meus, Deus foi visto e continuará sendo...

Eu estava só em uma grande sala branca, quando cinco homens entraram cada um carregando uma pilha de documentos. De repente, todos partiram com exceção de um que suavemente disse, - Seus pecados.
Eu respondi, - Deve haver um engano. Está certo, eu tive meus tristes momentos mas eu não posso ter sido tão ruim.
Ele me deu alguns documentos e nele eu li uma lista de mentiras, com as datas e horários em que as cometi. Se os pequenos erros estavam todos registrados ali com tamanha precisão, e os mais graves? Tremendo por inteiro, desmoronei. Como pude ter sido tão descuidado?
Fiquei absorto em meu susto até que ouvi meu nome sendo chamado por uma voz gloriosa, mas de alguma maneira, familiar.
Olhei para cima, e lá em seu brilho e glória, estava Jesus. Ele disse, - Só uma coisa importa. Você me ama com toda a força de seu coração, sua alma e seu pensamento?
Eu lamentei, - Senhor, eu falhei com Você muitas, muitas vezes. Mas Você sabe melhor que qualquer outro o quanto eu amo Você.
Então, Ele apontou para minha pilha de pecados agora coberta com Seu Sangue.
Que visão agradável que eu... Eu... Eu acordei! Tudo não passou de um sonho... Será?