Mensagens Religiosas

Senhor, fazei de mim instrumento de vossa paz. e que eu encontre primeiro, em mim, a harmoniosa aceitação de meus opostos.
Onde houver ódio, que eu leve o amor. aceitando o ódio que possa existir em mim e compreendendo todas as faces com as quais o amor pode se expressar.
Onde houver ofensa que eu leve o perdão e que me permita ofender para ser perdoado
Onde houver discórdia que eu leve a união. e que eu aceite a discórdia como geradora da união
Onde houver dúvidas que eu leve a fé. podendo humildemente, encarar minhas próprias dúvidas
Onde houver erros, que eu leve a verdade. e que a "minha verdade" não seja única, nem os erros sejam alheios.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança. e possa, primeiro, conviver com o desânimo sem me desesperar.
Onde houver tristeza, que eu leve alegria. e possa suportar a tristeza minha e dos outros sendo alegre ainda assim.
Onde houver trevas que eu leve a luz. após ter passado pelas "minhas trevas" e ter aprendido a caminhar com elas.
Oh, divino mestre... fazei que eu procure mais: consolar que ser consolado. e que eu saiba pedir e aceitar consolo quando precisar.
Compreender que ser compreendido, e me conhecer antes, para ter melhor compreensão do outro.
Amar que ser amado, podendo me amar em princípio, para não cobrar o amor que dou.
Pois é dando que recebemos. e sabendo receber é que se aprende a doar.
É perdoando que se é perdoado. e não se perdoa a outro enquanto não há perdão por si mesmo.
E é morrendo que se nasce para a vida eterna. e é bem vivendo e amando a vida que se perde o medo de morrer!

Um grupo de vendedores foram a uma Convenção de Vendas. Todos tinham prometido a suas esposas que chegariam a tempo para ceiar na noite de Natal. Mesmo sem contratempos, a convenção terminou um pouco tarde, e chegaram atrasados ao aeroporto. Entraram todos com suas passagens e documentos na mão, correndo pelos corredores. De repente, e sem querer, um desses vendedores tropeçou com uma mesa que tinha uma Cesta de Maças.
As maças saíram voando por todas partes. Sem deter-se, nem voltar para atrás, os vendedores seguiram correndo, e conseguiram subir no avião. Todos menos UM. Este se deteve, respirou fundo, e experimentou um sentimento de compaixão pela dona da banca de maças. Deixou seus amigos que seguiram sem ele e pediu a um deles que ao chegar chamar sua esposa e explicar que ia chegar em um vôo mais tarde. Logo voltou ao Terminal e se encontrou com todas as Maças jogadas pelo chão. Sua surpresa foi enorme, ao notar que a dona da banca era una Moça Cega. E a encontrou chorando, com muitas lágrimas escorrendo por suas faces. Tateava o piso, tentando, em vão, recolher as maças, enquanto a multidão passava, vertiginosa, sem deter-se. sem importar-se com o fato.
O homem se ajoelhou com ela, juntou as maças, e as colocou na cesta e a ajudou a montar a banca novamente. Enquanto o fazia, se deu conta de que muitas se haviam batido e estavam machucadas. Então pegou-as e as colocou em outra cesta. Quando terminou, Pegou sua carteira e disse à moça: Toma, por favor, estes cem reais pelo dano que fizemos.
Esta bom?" Ela, chorando, assentiu com a cabeça. Ele continuou, dizendo-lhe – "Espero não ter arruinado seu dia". Como o vendedor se colocou a sair, a moça gritou: – "Senhor..." Ele se deteve e voltou a olhar aqueles olhos cegos. Ela continuou: Você é Jesus...? Ele saiu em seguida e deu varias voltas, antes de dirigir-se a entrar em outro voo, com essa pergunta queimando-o e vibrando em sua alma:
Você é Jesus?"

Durante uma conferência com alunos universitários um professor da Universidade de Berlim desafiou alguns alunos com esta pergunta: Deus criou tudo o que existe? Um aluno respondeu:
- Sim, criou.
- Deus criou tudo?
- Sim, senhor. - Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, então Deus é mau?
O jovem calou-se e o professor ficou feliz porque tinha provado que a fé é um mito.
Outro aluno levantou a mão e disse:
- Posso fazer uma pergunta, professor?
- Lógico que podes.
O jovem, de pé, perguntou:
- Professor, existe o frio?
- Claro que existe, ou tu nunca sentiste frio?
Respondeu o jovem: De facto o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio é ausência de calor.
Existe a escuridão? Continuou o aluno O professor respondeu: existe.
Mais um erro seu, professor. A escuridão também não existe. A escuridão é a ausência da luz.
Finalmente o aluno perguntou:
- Professor, o mal existe?
- Claro que existe: crimes, guerras. isso são coisas do mal.
O estudante respondeu: o mal não existe, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é a ausência do bem. Deus não criou o mal. O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente nos seus corações.
É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.
Este aluno foi aplaudido de pé, e o professor balançava a cabeça ficando calado
O Diretor da Universidade soube do caso e chamou o aluno e perguntou-lhe: como te chamas: e ele respondeu: Albert Einstein.

Conta-se que um velho circense, após ter sido despedido do circo ao qual dedicara toda a sua vida como malabarista, vagueou sem rumo, à procura de quem lhe desse emprego e abrigo.
Não era fácil, afinal não desenvolvera outras habilidades, não era mais jovem e tampouco sabia ler e escrever.
Após muitos meses perambulando e já doente, bateu à porta de um Mosteiro, encontrando a caridade dos monges que o recolheram e dele cuidaram até que sarasse.
Sua tarefa passou a ser cuidar do jardim, o que ele foi aprendendo com algum esforço. Todavia algo o incomodava. Ao observar a rotina dos religiosos, os cantos, as orações em Latim, sentia-se triste por não poder acompanhá-los.
Ele também queria orar e cantar hinos de louvor ao Deus da sua compreensão. Mas como? Não tinha as palavras certas, sentia-se rude e indigno de adentrar a Capela. Como poderia ele falar do seu amor por Jesus, cuja imagem se destacava majestosa ao fundo do Santuário?!
Certo dia, esperou que todos se recolhessem, tomou todos os seus aparatos circenses e acercou-se da linda imagem do Mestre na Capela.
Começou a fazer a única coisa na qual ele era exímio... à sua volta, arcos, bolas, pratos subiam e retornavam as suas mãos, em movimentos perfeitos.
Ele esperava o milagre de ver no semblante do Senhor, um leve sinal de que a sua prece – embora incomum – estava sendo recebida.
E foi persistindo nos seus malabarismos, como se executasse a mais linda canção de louvor, sem dar-se conta do tempo, nem do suor que já escorria abundante por todo o seu rosto.
Os monges, ao notarem os estranhos ruídos vindos da Capela, levantaram-se com cuidado, receando tratar-se de algum meliante.
Todavia, quando chegaram à porta, pararam estupefatos diante da cena que presenciaram.
É que neste exato momento O Senhor inclinava-se e, com o manto, enxugava o suor daquele homem simples que não sabia rezar, mas que não obstante, rezara com todas as forças do seu coração !

Conta-se que Jesus, após narrar a Parábola do Bom Samaritano, foi novamente interpelado pelo doutor da lei que, alegando não lhe haver compreendido integralmente a lição, perguntou, sutil:
– Mestre, que farei para ser considerado homem bom?
Evidenciando paciência admirável, o Senhor respondeu: – Imagina-te vitimado por mudez que te iniba a manifestação do verbo escorreito e pensa quão grato te mostrarias ao companheiro que falasse por ti a palavra encarcerada na boca.
– Imagina-te de olhos mortos pela enfermidade irremediável e lembra a alegria da caminhada, ante as mãos que te estendessem ao passo incerto, garantindo-te a segurança.
– Imagina-te caído e desfalecente, na via pública, e preliba o teu consolo nos braços que te oferecessem amparo, sem qualquer desrespeito para com os teus sofrimentos.
– Imagina-te tocado por moléstia contagiosa e reflete no contentamento que te iluminaria o coração, perante a visita do amigo que te fosse levar alguns minutos de solidariedade.
– Imagina-te no cárcere, padecendo a incompreensão do mundo, e recorda como te edificaria o gesto de coragem do irmão que te buscasse testemunhar entendimento.
– Imagina-te sem pão no lar, arrostando amargura e escassez, e raciocina sobre a felicidade que te apareceria de súbito no amparo daqueles que te levassem leve migalha de auxílio, sem perguntar por teu modo de crer e sem te exigir exames de consciência.
– Imagina-te em erro, sob o sarcasmo de muitos, e mentaliza o bálsamo com que te aclamarias, diante da indulgência dos que te desculpassem a falta, alentando-te o recomeço.
– Imagina-te fatigado e intemperante observa quão reconhecido ficarias para com todos os que te ofertassem a oração do silêncio e a frase de simpatia.
Em seguida ao intervalo espontâneo, indagou-lhe o Divino Amigo: – Em teu parecer, quais teriam sido os homens bons nessas circunstâncias?
– Os que usassem de compreensão e misericórdia para comigo – explicou o interlocutor. – Então – repetiu Jesus com bondade – segue adiante e fazei também o mesmo.

Rezar ou pedir por alguém a Deus, em vida ou após a morte deste, que sempre tenha se destacado por sua bondade e honradez, numa análise mais profunda, poderia até ser embaraçoso junto ao Pai, pois quem melhor que Ele para saber dos privilégios deste conseguido, e com louvor, numa vida inteira de retidão? Poderia soar como que achássemos não ser Ele, em sua infinita sabedoria, capaz de ter mais ciência que nós das intimidades na evolução desta alma provavelmente já iluminada.

Uma situação diferente porém poderá se observar no caso daquele provido de virtudes e em comunhão com Deus, ao rezar ou pedir por alguém em vida ou que se fora, após uma existência desregrada e de desrespeito com seus semelhantes, onde dele só poderia se esperar atos de egoísmo. Neste caso Deus, do alto de sua bondade, poderá levar em consideração tal pedido, pois fora este o desejo de alguém com créditos conseguidos ao longo de sua jornada nesta vida, mesmo porque este pedido fora feito por alguém em benefício de outro o que torna tal atitude mais valorosa.

É por este e outros motivos que devemos muito mais agradecer a Deus do que lembrarmos Dele apenas para pedir. Se Ele sabe muito mais que nós de nossa própria existência, porque forçarmos para termos um destino diferente daquele já por Ele traçado?

Se nosso desânimo momentâneo vier à tona, muitas vezes por mesquinharias não conseguidas em nossa ânsia de sempre mais querer, certamente é porque Ele em seu infinito discernimento sabe que aquele desejo sendo realizado, poderia nos trazer muito mais infelicidade do que suportaríamos ao vivenciá-lo.