Mensagens Religiosas

Que o "Mestre dos mestres" lhe ensine que nas falhas e lágrimas se esculpe a sabedoria.
Que o "Mestre da Sensibilidade" lhe ensine a contemplar as coisas simples e a navegar nas águas da emoção.
Que o "Mestre da vida" lhe ensine a não ter medo de viver e a superar os momentos mais difíceis da sua história.
Que o "Mestre do amor" lhe ensine que a vida é o maior espetáculo no teatro da existência.
Que o "Mestre inesquecível" lhe ensine que os fracos julgam e desistem, enquanto os fortes compreendem e têm esperança.
Não somos perfeitos. Decepções, frustrações e perdas sempre acontecerão.
Mas deus é o artesão do espírito e a alma humana. Não tenha medo!
Depois da mais longa noite surgirá o mais belo amanhecer. Espere-o.
Todos nós passamos por determinadas angústias e ansiedades, pois algumas das mazelas da vida são imprevisíveis e inevitáveis.
Na escola da existência aprende-se que se adquire experiência não só com os acertos e as conquistas, mas, com as derrotas, as perdas e o caos emocional e social.
Foi nessa escola tão sinuosa que JESUS se tornou o "Mestre dos mestres".

Quando Cátia chegou em casa depois da escola, ela deu um beijo em sua mãe, agarrou um biscoito e foi para o piano. A mãe sorriu quando Cátia começou a tocar sua música favorita. Cátia adorava música e tocar piano.
Quando Cátia parou de tocar, ela foi até a cozinha. – A Lúcia convidou algumas de nós para jogar vídeo game hoje à noite. – ela disse – Eu posso ir?
– Acho que sim. – sua mãe concordou – A propósito, a Sra. Parker ligou hoje. Ela disse que gostaria que você tocasse na festa da escola de música, na semana que vem. Eu disse que lhe perguntaria, mas que eu estava certa de que você aceitaria.
– Ah, mãe! – Cátia exclamou com desânimo – Não quero fazer isto! Hoje à noite eu ligo e falo com ela.
Ela fechou a cara e saiu da cozinha antes que sua mãe pudesse protestar. A mãe suspirou. Apesar da habilidade e do amor de Cátia pela música, ela rejeitava qualquer proposta de tocar em público. – Tocarei quando eu for mais velha. Era o que sempre dizia.
Quando Cátia voltou da casa da Lúcia naquela noite, ela parecia triste. – Você não se divertiu? Sua mãe perguntou.
– Oh, sim. – Cátia murmurou – Mas sabe o que é? Nós estávamos no quarto da Lúcia e em cima da estante eu vi o colar eu dei para ela no seu aniversário. Ainda está na caixa! Quando eu dei a ela, ela disse que era bonito e que tinha gostado. Se ela realmente gostou, por que ela não usa? Eu gastei dois meses de mesada para pagar o colar que agora só fica guardado!
– Eu sinto muito. – a mãe respondeu simpaticamente – Talvez ela use mais tarde.
E, depois de uma ligeira pausa, adicionou, – Cátia, você não estará tratando o presente que Deus lhe deu da mesma forma que a Lúcia está tratando o seu?
– Como assim? Cátia perguntou.
– Deus lhe deu o presente da música, inclusive a habilidade de tocar piano. Você gosta de tocar em casa, mas como a Lúcia, você parece pouco disposta a "tirar seu presente da estante" e usar em qualquer outro lugar.
Cátia ficou calada e pensativa por algum tempo. Finalmente admitiu, – Acho que você está certa. Eu direi à Sra. Parker que aceito o convite.

O único sobrevivente de um naufrágio foi parar em uma ilha desabitada, fora de qualquer rota de navegação. Ele rezava fervorosamente pedindo a DEUS para ser resgatado, mas os dias passavam e nenhum socorro vinha. Mesmo exausto, ele construiu um pequeno abrigo de madeira para que pudesse se proteger do sol, da chuva e de animais e para guardar seus poucos pertences.
Um dia saiu em busca de algum alimento e quando voltou encontrou o seu abrigo em chamas, envolto em altas nuvens de fumaça. Terrivelmente desesperado e revoltado ele gritava chorando: "o pior aconteceu!perdi tudo! DEUS porque fizeste isso comigo?"
Chorou tanto, que adormeceu, profundamente cansado.
No dia seguinte bem cedinho, foi despertado pelo som de um navio que se aproximava.
-viemos resgatá-los, disseram.
-como souberam que eu estava aqui?, perguntou ele.
-nos vimos o seu sinal de fumaça!.

É comum sentirmo-nos desencorajados e até desesperados quando as coisas vão mal. Mas DEUS age em nosso beneficio, mesmo nos momentos de dor e sofrimento.

LEMBRE-SE: esse algum dia o seu único abrigo estiver em chamas, esse pode ser o sinal de fumaça que fará chegar até você a graça divina.

Uma enfermeira de um consultório pediátrico, antes de ouvir o peito dos pequenos, coloca o estetoscópio em suas orelhas e os deixa escutar o próprio coração.
Os olhinhos sempre brilham admirados. Mas ela nunca recebeu uma resposta igual a de David, um garoto de quatro anos.
Ela suavemente enfiou o estetoscópio em suas orelhas e colocou o disco sobre o seu coração. - Escute. Ela disse, – O que você acha que é?
Ele franziu as sobrancelhas junto com um ar de intrigado e olhou para cima como que perdido no mistério do estranho toc-toc-toc vindo do fundo de seu peito.
Então, em seu rosto surgiu um maravilhoso sorriso, - É Jesus batendo, não é?

A criação do ser humano é uma das coisas mais inteligentes, mas em meio a tantas maravilhas que Deus o criou, podemos analisar que o "homem" tem suas falhas, as quais nos deixe fracos, tristes, incompreensíveis.
Deus observou que as nossas fraquezas haveria necessidade de algo especial, ou melhor, alguém especial, mas quem?
Foi aí que surgiu seu Filho Jesus Cristo e disse: - Eu posso, envia-me e darei ao homem uma nova vida, um rumo diferente em meio a tantas diversidades.
E assim Deus por meio de Jesus nos deu a garantia de nos tornamos seres amáveis, inteligentes, livres e capazes de ter um encontro com o nosso criador, Deus um dia. Por isso existe uma grande sabedoria e essa sabedoria vem do dono dela - Deus!

Disse um discípulo ao seu mestre: "Mestre, há dias em que minha cruz parece tão pesada, que chego a pensar que perdi Deus. Vou para todos os cantos da casa em busca de um sinal de que Ele ainda está comigo"
Respondeu o mestre: "Você não O buscou em gavetas, armários e estantes.
Tire das gavetas e dos armários todas as roupas e calçados há tanto tempo guardados e que você não usa.
Tire de outros armários louças, vasilhames e utensílios há tanto tempo também sem uso.
Tire das estantes os livros empoeirados, lápis, canetas e papéis.
Tire daquele cômodo há tanto tempo fechado os brinquedos esquecidos e as sobras de materiais de construção.
Tire daquele pequeno armário todas as amostras grátis de remédios, que você guarda só por hábito.
Em seguida faça pacotes e entregue àqueles que dão assistência aos pobres, às crianças, aos idosos, aos doentes e aos animais.
Após essas providências você sentirá a agradecida Presença de Deus.
O que para você é inútil e largado no escuro, para outros é manifestação de luz.
Quando os pesados pacotes forem abertos, você terá aliviado o peso da sua cruz"

Encontrei um menor na rua, sem camisa, costas nuas, sem sapatos, pés no chão sujos como a mente de tanta gente que se conforma com a situação: - "Menino, onde está seu irmão"?
Encontrei um velho maltrapilho, sem bengala, sem o filho, sem amparo no mundo cão, perguntei-lhe de repente por que tanta gente se conforma com a situação: - "Velho onde está seu irmão"?
Encontrei uma mãe solteira encaminhando-se para uma fileira que terminava na prostituição acomodados na triste sina conformavam-se com a situação: - "Mãe solteira, onde está seu irmão"?
Encontrei um migrante e um patrício, chegados a pouco numa procura que não há quem não canse. Encontrei um louco, sem hospital, sem hospício. Todos sem chance, um aleijado com ofício, e um cego vendo com a mão. Perguntei sem conformar com a situação: - "Ei, onde estão seus irmãos"?
Encontrei um sem teto E filho sem colchão, mãe sem afeto e mesa sem pão...: - "Ei, onde estão seus irmãos?"
Encontrei um ex prisioneiro marcado pelo erro que cometeu. Encontrei um macumbeiro fazendo despacho para ateu. Encontrei um excepcional sem centro de recuperação. Encontrei um homem de quarenta vetado na profissão:
- "Ei, onde estão seus irmãos?" - Irmãos? - Ou pelo menos um irmão, cadê o próximo? Cadê o cristão? Procurei e fiquei vermelho com o susto que me ocorreu...
Pois ao ver-me o espelho vi que o irmão era EU..

A Bíblia está CHEIA de erros
- o primeiro erro foi quando Eva duvidou da Palavra de Deus;
- o segundo erro aconteceu quando seu esposo fez o mesmo;
- e assim erros e mais erros ainda estão sendo cometidos?
- porque as pessoas insistem em duvidar da Palavra de Deus.

A Bíblia está CHEIA de contradições
- Ela contradiz o orgulho e o preconceito;
- Ela contradiz a lascívia e a desobediência;
- Ela contradiz o seu pecado e o meu.

A Bíblia está CHEIA de falhas
- porque Ela é o relato de pessoas que falharam muitas vezes;
- assim foi com a falha de Adão;
- com a falha de Caim;
- e a de Moisés;
- bem como a falha de Davi e a de muitos outros que também falharam.
- Mas Ela é também o relato do amor infalível de Deus.

Deus NÃO ESCREVEU a Bíblia
- para pessoas que querem jogar com as palavras;
- para aqueles que gostam de examinar o que é bom mas sem fazê-lo;
- para o homem que não acredita porque não quer.

O homem moderno DESCARTOU os ensinamentos da Bíblia
- pelas mesmas razões que outros homens tem descartado através da história;
- por grande ignorância a sua verdadeira mensagem e conteúdo;
- intransigente apatia em recusar considerar suas declarações;
- bem conhecidos pseudo-cientistas posando de críticos honestos;
- convicção secreta de que este Livro está certo e de que os homens estão
errados.

Somente uma pessoa PRECONCEITUOSA acreditaria que:
- os ensinamentos bíblicos são passados e irracionais, sendo princípios
arcaicos e sem propósito;
- a Bíblia está cheia de discrepâncias e afirmações inaceitáveis;
- Ela só poderia ser trabalho irrelevante e não inspirado de meros homens.

A Bíblia é, afinal, somente mais um LIVRO RELIGIOSO
- para milhares que não se arriscam serem honestos consigo mesmos e com Deus;
- para aqueles que tem medo de aceitar o desafio do próprio Deus a um exame
honesto;
- para aqueles que não querem examiná-la a fundo porque Ela diz
verdadeiramente como os homens são.

E você não pode ENTENDER ou CONFIAR no que a Bíblia diz
- a menos que você esteja disposto a considerar as evidências e encarar face
a face o AUTOR!

Certa vez, alguém chegou no céu e pediu pra falar com Deus porque, segundo o seu ponto de vista, havia uma coisa na criação que não tinha nenhum sentido... Deus o atendeu de imediato, curioso por saber qual era a falha que havia na Criação.
- Senhor Deus, sua criação é muito bonita, muito funcional, cada coisa tem sua razão de ser... Mas, no meu ponto de vista, tem uma coisa que não serve para nada...
- E que coisa é essa? – perguntou Deus.
- É o horizonte. Para que serve o horizonte? Se eu caminho um passo em direção ao horizonte, ele se afasta um passo de mim. Se caminho dez passos, ele se afasta outros dez passos. Se caminho quilômetros, ele se afasta os mesmos quilômetros de mim... Isso não faz sentido! O horizonte não serve pra nada.
Deus olhou para aquela pessoa, sorriu e disse:
- Mas é justamente para isso que serve o horizonte... para fazê-lo caminhar!

Tenho em minhas mãos duas caixas que Deus me deu para guardar.
Ele disse:
- Coloque todas as suas tristezas na preta e todas as suas alegrias na dourada.
Eu entendi suas palavras e, nas duas caixas, tanto minhas alegrias quanto minhas tristezas guardei.
Mas, embora a dourada ficasse cada dia mais pesada, a preta continuava tão leve quanto antes.
Curioso, abri a preta.
Eu queria descobrir o porquê, e vi na base da caixa um buraco pelo qual minhas tristezas saiam.
Mostrei o buraco a Deus e pensei alto:
Gostaria de saber onde minhas tristezas podem estar...
Ele sorriu gentilmente para mim e disse:
- Meu filho, elas estão aqui comigo!
Perguntei:
- Deus, por que deu-me as caixas? Por que a dourada inteira e a preta com o buraco?
- Meu filho, a dourada é para você contar suas bênçãos... E a preta é para você deixar ir embora suas mágoas e tristezas...
Lembre-se sempre de guardar seus momentos mais felizes e deixar ir embora as tristezas!

Hoje eu estava aqui no meu canto, pensando na vida, quando resolvi conversar com o meu Anjo da Guarda.
– Meu querido e amado Anjo, como é a vida ai em cima?
Respondeu-me, o Anjo: – Querido amigo sonhador, quem foi que te disse, que vivo aqui em cima?
– Mas, Anjos não vivem no céu, ao lado de Deus?
– Sim? Os Anjos de luzes vivem no céu ao lado de Deus, mas eu sou um Anjo da Guarda, e Anjos da Guarda, vivem ao lado de quem nós protegemos.
– Hum, então tu caminhas lado a lado comigo, nas minhas aventuras, no meu dia-a-dia?
– Exatamente, eu não descuido um só segundo da tua vida, dos teus afazeres, vivo iluminando o teu caminho, estou sempre a tua frente, preparando a tua chegada, desviando você dos perigos que ora, estejam em sua passagem.
– E como é o meu dia-a-dia, dou-lhe, muito trabalho?
– Meu caro amigo, desde que, foi me dada esta missão, procuro cumprir a risca todos os ensinamentos do mestre, para proteger-te, das horas difíceis, dos momentos tristes, de sua louca vida de aventuras, e quando recolhes para o teu sono, ainda dou-lhe, um beijo em seu coração, sem que uma palavra sua, venha-me, agradecer.
– Mas, meu amado Anjo, todas as noites quando eu vou deitar-me, faço minhas orações aos céus, agradecendo a graça recebida, por ter respirado em mais um dia.
– É Verdade, tu agradece aos céus, mas, esquece-se, de que eu não vivo lá, vivo aqui, o agora, ao teu lado.
– Como faço então, para agradecê-lo?
– Simples, coloque a sua mão direita no coração, feche os olhos, e diga comigo:
Meu Anjo da Guarda, fazei com que eu não sofra nenhum tipo de ameaça, protege-me, dos ciúmes, e dos olhos do mal, amém.
Meu amado Anjo, só mais uma pergunta. Quando um Anjo da Guarda, passa a ser um Anjo de luzes?
Meu amado amigo, quando tu subires aos céus, eu serei o teu Anjo de Luzes.

Um rico fazendeiro chamado Carl frequentemente cavalgava em torno de sua vasta propriedade, congratulando a si mesmo por sua grande riqueza.
Um dia, em uma destas cavalgadas, viu Hans, um velho arrendatário. Hans estava sentado sob uma árvore quando Carl passou. À inquisição de Carl, Hans respondeu, – Estou apenas agradecendo à Deus por meu alimento.
Carl protestou, – Se isto fosse tudo o que eu tivesse para comer, eu não me sentiria tão grato.
Hans respondeu, – Deus me deu tudo o que necessito, e sou grato por isso.
O velho e pobre fazendeiro ainda acrescentou, – É estranho você passar por mim exatamente hoje, porque eu tive um sonho na noite passada. Em meu sonho uma voz me disse que o homem mais rico do vale morrerá hoje à noite. Eu não sei bem o que significa, mas acho que eu tinha que lhe contar.
Carl gritou, – Sonhos são absurdos!
E num galope enfurecido, se afastou. Mas não conseguia esquecer-se das palavras de Hans: "o homem mais rico do vale morrerá hoje à noite".
Era, obviamente, o homem mais rico do vale, assim convocou seu médico até sua casa. Carl contou ao médico o que ouvira de Hans. Após um exame completo, o médico disse ao rico fazendeiro, – Carl, você está tão forte e saudável quanto um jovem cavalo. Não há como você morrer esta noite.
Por garantia, o médico ficou com Carl, e jogaram cartas durante a noite. Na manhã seguinte o médico se foi após Carl desculpar-se por lhe dar tanto trabalho apenas baseado em um sonho de um velho.
Por volta das nove horas da manhã, um mensageiro chegou à porta de Carl. – O que quer? Carl perguntou.
O mensageiro explicou, – É para trazer-lhe notícias sobre o velho Hans.
Ele morreu durante o sono nesta última noite.

Uma jovem da alta nobreza, órfã de pais, morava num magnífico castelo.
Um dia, a filha de um pobre pedreiro foi procurá-la apressadamente e disse-lhe: - Senhorita, meu pai está à morte. venha vê-lo. mas venha logo porque ele tem algo a dizer-lhe.
A orgulhosa jovem não fez caso do recado, dizendo consigo: - Que pode ter um operário a dizer-me na hora da morte?
Uma hora mais tarde, chegava de novo a filha do pedreiro quase sem fôlego de tanto correr. - Senhorita disse – Venha depressa. Meu pai diz que a mãe da senhora, durante a última guerra, mandara embutir numa parede do castelo grande quantidade de ouro e prata. Meu pai tinha ordem de não lhe dizer nada antes que a senhora completasse vinte anos. Mas, como ele está certo de que vai morrer, quer antes confiar-lhe o segredo.
No mesmo instante a jovem saiu a correr para a casa do agonizante. Aconteceu, porém, que, ao entrar ela no quarto, o operário acabava de expirar. A jovem empregou grandes esforços para descobrir o tesouro escondido, mas tudo foi em vão.
A herdeira do tesouro materno jamais o encontrou.
Muitos procedem a respeito da graça de Deus como aquela jovem. Fazem desse tesouro divino muito pouco caso. virá, porém, uma hora em que não mais o encontrarão.

Diane, uma jovem estudante universitária cristã, estava em casa naquele verão. Uma noite foi visitar alguns amigos e a conversa prolongou-se um pouco mais do que planeara, fez com que as horas avançassem noite dentro e fez-se muito tarde para voltar sozinha para casa. Mas não tinha medo, porque morava numa cidade pequena e tranquila, a poucos quarteirões dali.
Enquanto caminhava, pediu a Deus que a mantivesse a salvo de qualquer mal ou perigo. Quando chegou a uma viela que utilizava como atalho para chegar mais rápido, resolveu ir por ali.
Quando estava já a meio da ruazinha, viu um homem parado no final dela e parecia que a estava a esperar.
Diane ficou nervosa e começou a rezar pedindo a proteção de Deus.
Neste instante, um sentimento de tranquilidade e segurança a envolveram, sentiu como que se alguém estivesse a caminhar junto dela, chegou ao final da viela e foi caminhando justamente na direção onde o homem se encontrava, mas nada aconteceu, chegando bem a casa.
No dia seguinte leu no jornal, que uma jovem havia sido violada naquela mesma viela, uns 20 minutos depois de ela passar por ali.
Sentindo-se mal por esta tragédia e pensando que poderia ter sido com ela, começou a chorar dando Graças a Deus por tê-la defendido e pediu ajuda para a outra jovem. E decidiu ir ao posto de polícia, acreditando que poderia reconhecer o homem e contou ali a sua história.
O Comandante da policia agradeceu a Diane pela sua valentia e perguntou-lhe se havia algo que pudessem fazer por ela. E ela pediu que perguntassem ao homem, porque é que não a tinha atacado quando ela passou pela mesma viela.
Quando o Comandante perguntou ao homem, ele respondeu: "Porque ela não estava sozinha, havia dois homens altos a caminhar um de cada lado dela"
Moral da historia?
Não subestimes o poder da oração.
Quem a Deus tem, nada lhe falta. Quando Deus está conosco, quem contra nós?

Fui convidada a entrar na Galeria Esperança.
Um anjo tão belo como um arco-íris, foi designado para nos conduzir mostrando os quadros da vida, nos corredores do mundo.
A primeira tela foi o quadro do Poder e da Vaidade, um era seguimento do outro... Em seguida vinha também em par o quadro do Egoísmo e da Miséria.
Continuamos, ele ficava cada vez mais triste ao demonstrar aqueles quadros.
O anjo com os olhos úmidos apontou-me o quadro da Fome e da Dor.
Mais adiante numa galeria só, outros quadros desfilavam ao nosso olhar: o quadro da guerra. do abandono. da violência. do ódio. da agonia. da solidão. Ah! E tantos outros mais amargos e tristes!
Olhei para o anjo e perguntei onde estava os quadros da Amizade, da Solidariedade, da Paz e da Fraternidade? Onde estava os quadros da Alegria, da Partilha, da Comunhão? Onde estava os quadros do Amor, da Caridade, onde?
Ele apontando à tela do céu e me mostrou Jesus. Jesus estava representado numa tela, num esboço em preto e branco, sem nenhum colorido.
- Ele deixou as sementes, se elas crescessem teríamos todas as pigmentações para pintar novos quadros.
- Mas diga-me onde estão essas sementes?
- Na vontade dos homens, nas mãos dos homens e no coração dos homens, foi lá que Ele deixou, a Semente Amor!
Sai da Galeria Esperança em silêncio, triste, cabisbaixa.
Ele sorriu e disse: - À Galeria chama-se, ESPERANÇA! Vocês podem dar forma, luz e cor a esses quadros em esboço, basta usar as mãos no labor diário, nos natais da oportunidade que à vida lhes propicia na realidade dos dias.

Em determinada escola a professora aplicou uma prova de filosofia, contendo nela tudo o que havia sido ensinado aos alunos no decorrer do ano. Na prova não havia nada que os alunos jamais tivessem ouvido, pelo contrário, continha somente aquilo que foi ensinado em sala de aula.
Sócrates, por mais que estivesse em todas as aulas de filosofia, não havia prestado muita atenção nos ensinamentos da professora, por esse motivo, enquanto lia as questões, não entendia nada... E acabou indo mal na prova.
Sócrates foi reprovado, porém teve outra oportunidade na recuperação. Ele sabia da necessidade de estudar, perseverar, e fazer com que aquela prova fosse apenas mais uma, e não a última de sua vida.
Se formos levar esse fato para o mundo espiritual, entenderemos que cada um de nós somos alunos cujo o professor é Jesus Cristo, que primeiro nos ensina e então permite a prova (tentação), e se caso não formos bem, formos reprovados, teremos uma segunda chance, para perseverarmos mais, estudarmos mais a bíblia, e fazer com que essa prova não seja a última de nossas vidas.
Nós sabemos que sempre depois da prova, vem uma bênção, no caso de Sócrates foi passar de ano. Porém jamais devemos ignorar o fato de que a prova apenas termina quando a vencemos, quando vamos bem, ou então, ficaremos presos na mesma prova eternamente.
Paulo disse em I Coríntios 10:13, que "Não veio sobre vós tentação senão humana, mas fiel é Deus, que não vos deixara tentar acima do que podeis, e junto com a tentação dará também o escape para que possais suportar".

Certo dia um homem saía para trabalhar, pensando que aquele seria um dia comum como todos os outros.
Mas não era.
Seu pequeno filho, ao vê-lo saindo, gritava-lhe o nome, pedindo ao pai que o levasse junto ao trabalho.
O pai não resistiu ao olhar e ao pedido de seu filho. Aquele olhar meigo e amoroso de seu filho.
Então, pegando seu filho no colo, lhe beijou a face e o levou para o trabalho.
Os dois estavam muito felizes.
O homem trabalhava em uma ponte levadiça, e sua função era erguê-la para a passagem dos navios por ali, ou abaixá-la para a passagem dos trens, pois a ponte era de trilhos.
Por volta das 9:00 da manhã, o homem ouviu um apito de trem, e percebeu que era de passageiros, esse tipo de trem, na maioria das vezes transportavam aproximadamente umas 200 pessoas, então ele pensou logo em baixar a ponte, mas algo lhe tirou o fôlego.
Ele viu que seu filhinho estava brincando no meio das engrenagens da ponte, então começou a suar frio e entrar em desespero, pois não havia tempo para tirá-lo de lá.
Ele tinha que fazer uma escolha muito difícil, salvar a vida de seu único filho, e assim condenar aquelas 200 pessoas à morte, sem ao menos saberem o porquê, ou salvar a vida daquelas pessoas sacrificando assim seu único filho, ele tinha que escolher rápido, pois o trem se aproximava cada vez mais, então, com lágrimas nos olhos o homem disse: meu filho, me perdoe, e então ele baixou a ponte, e seu filho morreu.
Sei que esta história é muito triste, mas não se preocupe, ela é apenas ilustrativa.
Nesta história, o homem representa Deus e seu filho representa Jesus, e aquelas 200 pessoas representam você, sua família, seus amigos.

Enquanto os jovens esperavam começar a aula, conversavam sobre um filme que passara na TV na noite de sábado. – Você viu o filme? Perguntou Brad. – Claro! Exclamou Jeb, e vários outros falaram a mesma coisa
– Lembra-se daquela cena, quando Joe ficou bêbado e bateu nos dois policiais atirando-os pela janela da boate? Jeb acrescentou.
– Bam! E lá vão os caras pela janela! Alguém exclamou. – Uau! Eu ia adorar ter aquela garota do show, Disse Brian. – Quando ele a beijou na pista de dança, foi engraçado quando seu marido apareceu...
O grupo repentinamente parou a conversa ao perceber a presença do professor na entrada.
Sr. Milles começou a aula.
Depois da aula, ele convidou o grupo para uma festa na igreja no sábado seguinte.
Quando os jovens chegaram para a festa, Sr. Milles pediu que se sentassem no auditório em vez de ficar no salão de festas. Os jovens estranharam mas foram para lá. Tinha um televisor colocado bem na frente do altar. – Para que será isso? Perguntou Brad. Nós vamos assistir um vídeo? – É noite de sábado e eu acho que está passando seu programa favorito de TV. Respondeu Sr. Milles. – Acho que podemos assistir juntos. Vou ligar a TV.
– Mas aqui? Murmurou alguém
E os jovens olharam um para o outro, inquietos. Os primeiros minutos do programa não foram tão ruins. Então um dos personagens xinga bastante e aparece uma atriz praticamente nua.
Todos se sentiram desconfortáveis. Logo Vince falou, – Vai nos deixar ver isto?
Rapidamente o senhor Milles desligou a TV. – Pensei que vocês gostassem deste show, ele disse. – Sim, mas... Bem, aqui é uma igreja... É a casa de Deus e é horrível assistir isto aqui, Jeb disse.
Sr. Milles concordou. – Certo meu jovem, mas vocês têm se esquecido que Jesus não está apenas nas igrejas. Ele está em todo lugar e faz parte de sua vida e Sua presença deve fazer você ser muito mais cuidadoso com o que você ouve e vê e de que maneira o faz.

A Paz se planta.
O velho, cedo, se levanta, sorri e até canta.
Reza ou recita um mantra.
Sabe que não tem almoço, mas confia na janta. Ouve o cantar de pássaros e se encanta.
Pensa em sua vida e vê que é tanta.
Sente que vem o frio, mas tem sua manta.
Olha para o campo semeado e reza para que a colheita lhe garanta.
Cuidando, examina o que planta.
Com sua sabedoria ninguém se espanta.
Dá seu amor que vem com a Santa, a Santa Paz que ele também planta e, lhe volta em dobro trazendo a janta.
Lembra-se que: Se Paz se planta, o Amor encanta e a Vida canta...
Pra melhor, se transformar, adianta.
Ele sabe que seu irmão, também, tem a mesma Luz que o levanta e ao acordar, tudo o encanta.
Sabe que este irmão também irá ver que a Paz adianta. Também se lembrará que a Paz se planta.
Que a Paz vem, Santa.
Planta, que adianta.
Esta Santa... encanta...
os caídos levanta...
A gratidão é tanta quando se encontra esta Santa.
A Santa Paz sempre adianta.

–... E por favor me perdoa. Em nome de Jesus. Amém. Hannah suspirou quando subiu em sua cama. Depois de mentir para sua mãe alguns dias antes, Hannah tinha pedido à Deus que lhe perdoasse, mas de vez em quando ela ainda se sentia culpada e pedia novamente. A mãe sorrindo, deu-lhe um beijo e saiu apagando a luz.
Na tarde do dia seguinte, a mãe repentinamente exclamou, – Ó, Hannah, era para eu ter levado você para passear no shopping com sua vó esta tarde, e me esqueci completamente! Agora é tarde. Sinto muito. – O-o-o-h, pranteou Hannah, eu queria ir!
A mãe sentindo-se mau, perguntou – Pode me perdoar?
Hannah suspirou e acenou dizendo que sim.
Quando, naquela noite, Hannah desceu para jantar, sua mãe olhou pare ela e disse, – Hannah, sinto muito sobre o passeio ao shopping. Perdoe-me por não ter lembrado. – Tá bom, mãe, Hannah respondeu. Olhou os pratos na mesa. – Hum! Este frango parece muito bom!
Depois do jantar, Hannah ajudou sua mãe a arrumar a mesa. – Querida, de verdade, eu sinto-me mau por você ter perdido o passeio com sua vó, a mãe disse. Você me perdoará?
Hannah, confusa, olhou sua mãe. – Já lhe falei que tudo bem, disse, sem notar o sorriso da sua mãe.
Quando Hannah se preparava para dormir naquela noite, mais uma vez confessou a mesma mentira. Então alegremente pulou na cama. – Sobre o passeio ao shopping, querida, – sua mãe começou a falar enquanto esticava os cobertores sobre Hannah, – você me perdoa... – Mamãe! Você está se desculpando repetidamente! Reclamou Hannah. – Te perdoei na primeira vez, mas você me trata como se não acreditasse em mim!
Sua mãe sorriu e disse suavemente, – Não é como você tem tratado Deus? Errou quando mentiu sobre onde tinha ido outro dia. Se arrependeu e confessou a mim e a Deus, e eu acho que você sabe que eu te perdoei. Deus disse que te perdoou, também, e você continua a confessar a mesma coisa repetidas vezes como se você não acreditasse Nele.
Hannah ficou assustado. Então deu uma risadinha. – Acho que você está certa – Admitiu. – Vou agradecer ao invés de pedir perdão e obrigado, também, mamãe!

Lembre-se que se você ficar sozinho por tempo demais, a solidão torna-se sua melhor amiga, e ela não é boa conselheira.
Lembre-se que você pode ter muitos amores, mas só um vai tirar você do sério.
Aproveite o máximo sua juventude, ela é tão fugaz.
Você pode se casar, 1, 2, 3, 4 vezes, ou pode festejar bodas de diamante, a gente nunca sabe, mas o que sabemos é que o amor nos traz infinitas oportunidades e em cada uma delas a probabilidade de dar certo ou não, talvez dependa de nós, talvez dependa do destino, talvez não dependa de nada.
Não se sinta culpado por não ter todas as respostas, ou por não saber o que fazer da vida, deixe simplesmente acontecer.
Aproveite seus dias, o tempo é tão traiçoeiro, que quando você vê, opa, acabou.
Seja no mínimo amante de si mesmo, e perceba o quanto você é belo, e como Deus lhe fez especial.
E lembre-se: VOCÊ PODE TUDO!

No futuro, se quisermos uma humanidade mais feliz, um mundo mais feliz, deveremos cortar o problema pela raiz. É claro que os poderes econômicos e políticos também são causas. Mas as causas principais estão na mente humana. Cada ação do homem, verbal ou física, até mesmo as pequenas ações, tem alguma motivação. No final das contas, tudo depende de um motivo. A motivação apropriada ou seu desenvolvimento apropriado é um fator importante.

Desta forma, se a inteligência vier acompanhado de afeto e compaixão – o que chamo de sentimento humano – será muito útil. O sistema educacional moderno dá muita atenção ao conhecimento e ao cérebro, mas não presta atenção no desenvolvimento espiritual. Isso é deixado para as organizações religiosas e para as outras pessoas. Não considero isso suficiente. Embora todas as religiões do mundo tenham potencial para dar uma grande contribuição ao desenvolvimento da bondade, nem isso é suficiente. Além disso, muitas pessoas consideram a religião algo ultrapassado ou fora de moda, e os próprios religiosos às vezes são um pouco ortodoxos demais. Eles ficam isolados do mundo real e dos problemas do dia-a-dia. Às vezes, muitas tradições religiosas, incluindo as tibetanas, dão muita ênfase ao ritual ou à cerimônia, sem entender bem seu significado. Por isso, a contribuição e a influência religiosa também são limitadas. Não basta deixar as comunidades religiosas lidarem com as questões morais. Os problemas em geral são grandes demais, e o grupo de pessoas que deve lidar com eles, pequeno ou fraco demais.

Dalai Lama

Com frequência saudamos, damos a mão cordialmente, ou nos despedimos com um beijo ritual, porém raramente experimentamos "o abraço"
A emoção do abraço tem uma qualidade incomensurável. É a proximidade do outro, em um ato recíproco de dar e receber afeto. É o abraço uma matriz religiosa mais do que sexual. Leva-nos à fraternidade, a uma comunicação generosa, a uma consciência de pertencer a uma "Irmandade Universal".
O abraço é um meio supremo de perceber o outro, não só como um próximo, mas como um semelhante. Mediante o abraço é possível alcançar a fusão de duas identidades em uma identidade maior.
É fácil abraçar as pessoas estimadas e queridas, mas difícil um estranho. A afetividade é um estado de afinidades profunda entre os seres, capaz de originar sentimentos de amor, amizade, altruísmo, maternidade, paternidade, companheirismo, mas também sentimentos opostos como a ira, a insegurança, o ciúme.
A afetividade é um estado evolutivo superior que não está necessariamente ligado à sensibilidade e nem à inteligência. Pessoas inteligentes e sensíveis, podem não serem capazes de amar ou mesmo ter inconcebíveis níveis de violência.
Por isso, nestes "tempos" sugerisse que, para gradativamente, atingirmos esse nível de afetividade, esse estado evolutivo superior, comecemos a nos abraçar... Primeiro pais, irmãos, os amigos, parentes, depois os conhecidos... E assim por diante.
Só com muita afetividade, com muito amor pelo ser vivente pode-se conseguir um mundo melhor, menos exploração, menos fome, mais amor, e consequentemente mais VIDA!
Um grande abraço a nossa humanidade carente de amor e em especial a aqueles que lerem esse pequeno texto.

Nasrudin conversava com um amigo:

Então, Mullah, nunca pensaste em casamento?

Muito. respondeu Nasrudin Em minha juventude, resolvi conhecer a mulher perfeita. Atravessei o deserto, estive em Damasco e conheci uma mulher espiritualizada e linda; mas ela não sabia nada das coisas do mundo. Continuei a viagem e fui a Isfahan; lá encontrei uma mulher que conhecia o reino da matéria e do espírito, mas não era bonita. Então resolvi ir até o Cairo, onde, finalmente, jantei na casa de uma moça bonita, religiosa e conhecedora da realidade material.

E por que não casaste com ela?

Ah, meu companheiro! Infelizmente ela também procurava um homem perfeito.