Mensagens de Amizade

Um jovem recém casado estava sentado num sofá num dia quente e úmido, bebericando algo gelado durante uma visita ao seu pai.
Ao conversarem sobre a vida, o casamento, as responsabilidades da vida, as obrigações da pessoa adulta, o pai remexia pensativamente os cubos de gelo no seu copo e lançou um olhar claro e sóbrio para seu filho.

- Nunca esqueça de seus amigos, aconselhou! Serão mais importantes na medida em que você envelhecer. Independentemente do quanto você ame sua família, os filhos que porventura venham a ter, você sempre precisará de amigos. Lembre-se de ocasionalmente ir a lugares com eles; faça coisas com eles; telefone para eles...

Que estranho conselho! Pensou o jovem. Acabo de ingressar no mundo dos casados. Sou adulto. Com certeza minha esposa e a família que iniciaremos serão tudo que necessito para dar sentido à minha vida!

Contudo, ele obedeceu ao pai. Manteve contato com seus amigos e anualmente aumentava o número de amigos.

Na medida em que os anos se passavam, ele foi compreendendo que seu pai sabia do que falava.

Na medida em que o tempo e a natureza realizam suas mudanças e mistérios sobre um homem, amigos são baluartes de sua vida.

Passados mais de 50 anos, eis o que aprendi:

O Tempo passa.

A vida acontece.

A distância separa.

As crianças crescem.

Os empregos vão e veem.

O amor fica mais frouxo.

As pessoas não fazem o que deveriam fazer.

O coração se rompe.

Os pais morrem.

Os colegas esquecem os favores.

As carreiras terminam.

Mas... os verdadeiros amigos estão lá, não importa quanto tempo e quantos quilômetros estão entre vocês.

Um amigo nunca está mais distante do que o alcance de uma necessidade, torcendo por você, intervindo em seu favor e esperando você de braços abertos, abençoando sua vida! Quando iniciamos esta aventura chamada vida, não sabíamos das incríveis alegrias ou tristezas que estavam adiante. Nem sabíamos o quanto precisaríamos uns dos outros.

"Mark estava voltando para casa, vindo da escola, um dia, quando ele percebeu que o garoto andando na frente dele tinha tropeçado e deixado cair todos os livros que ele estava carregando, uma luva de baseball, e um pequeno walkman.

Mark ajoelhou-se e ajudou o garoto a pegar os seus objetos que estavam esparramados pelo chão. Já que eles estavam indo na mesma direção, Mark ajudou a carregar um pouco dos objetos. Enquanto eles caminhavam, Mark descobriu que o nome do garoto era Bill, que ele adorava vídeo game, baseball e história, que ele estava tendo muita dificuldade com as outras matérias, e que ele tinha acabado de terminar com sua namorada. Eles chegaram a casa de Bill primeiro e Mark foi convidado a entrar para tomar uma coca-cola e assistir um pouco de televisão.

A tarde passou agradavelmente com algumas risadas e um papo de vez em quando, até que Mark decidiu ir para casa. Eles continuaram a se encontrar na escola, almoçavam juntos de vez em quando, até que ambos se formaram do primeiro colegial. Eles ficaram na mesma escola, onde eles continuaram amigos ao passar dos anos. Finalmente, o tão esperado ano do terceiro colegial chegou, e três semanas antes da formatura, Bill pediu para Mark se eles poderiam conversar um pouco.

Bill lembrou Mark do dia, anos atrás, quando eles se conheceram:

- "Você nunca se perguntou porque eu estava carregando tantas coisas para a minha casa naquela dia?" - Bill perguntou. -"Eu estava limpando o meu armário na escola porque eu não queria deixá-lo uma bagunça para a próxima pessoa que o fosse usar. Naquele dia, eu tinha escondido alguns dos calmantes da minha mãe e estava indo para minha casa para cometer suicídio. Mas depois de termos passado aquele dia juntos, conversando e rindo, eu percebi que se eu tivesse me matado, eu teria perdido aquele momento e tantos outros que estariam por vir. Então, você está vendo Mark, que quando você me ajudou a pegar aqueles livros do chão aquele dia, você fez muito mais do que somente me ajudar. Você salvou a minha vida..."

Cada pequeno "olá", cada pequeno sorriso, cada pequena ajuda, é capaz de salvar um coração machucado!

"Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos.

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido.
Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre.
Hoje não tenho mais tanta certeza disso.

Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar quem sabe... nos e-mails trocados.
Podemos nos telefonar conversar algumas bobagens...
Aí os dias vão passar, meses...anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro.

Vamos nos perder no tempo...Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão? Quem são aquelas pessoas? Diremos...Que eram nossos amigos.
E... isso vai doer tanto!

Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!
A saudade vai apertar bem dentro do peito.

Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos. Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante.

Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado. E nos perderemos no tempo... Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades seja a causa de grandes tempestades...
Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!"

Numa aldeia vietnamita, um orfanato dirigido por um grupo de missionários foi atingido por um bombardeio.

Os missionários e duas crianças tiveram morte imediata e as restantes ficaram gravemente feridas. Entre elas, uma menina de oito anos, considerada em pior estado. Era necessário chamar ajuda por um rádio e, ao fim de algum tempo, um médico e uma enfermeira da Marinha do EUA chegaram ao local. Teriam de agir rapidamente, senão a menina morreria devido aos traumatismos e à perda de sangue. Era urgente fazer uma transfusão, mas como?

Após alguns testes rápidos, puderam perceber que ninguém ali tinha sangue para doar. Reuniram as crianças e entre gesticulações, arranhadas no idioma, tentavam explicar o que estava acontecendo e que precisariam de um voluntário para doar sangue. Depois de um silêncio sepulcral, viu-se um braço magrinho levantar-se timidamente. Era uma menino chamado Heng. Ele foi preparado as pressas ao lado da menina agonizante e espetaram-lhe uma agulha na veia.

Ele se mantinha quietinho e com o olhar fixo no teto. Passado algum momento, ele deixou escapar um soluço e tapou o rosto com a mão que estava livre. O médico perguntou-lhe se estava doendo e ele negou. Mas não demorou muito a soluçar de novo, contendo as lágrimas. O médico ficou preocupado e voltou a perguntar-lhe novamente, e novamente ele negou. Os soluços ocasionais deram lugar a um choro silencioso, mas ininterrupto. Era evidente que alguma coisa estava errada. Foi então que apareceu uma enfermeira vietnamita vinda de outra aldeia. O médico pediu que ela procurasse saber o que estava acontecendo com Heng. Com a voz meiga e doce, a enfermeira foi conversando com ele e explicando coisas e o rostinho do menino foi se aliviando...

Minutos depois ele estava novamente tranquilo. A enfermeira então explicou aos americanos:

- Ele pensou que iria morrer, não tinha entendido direito o que vocês disseram e achava que ia ter que dar todo seu sangue para a menina não morrer.

O médico aproximou-se dele e, com a ajuda da enfermeira, perguntou:

- Mas, se era assim porque você se ofereceu para doar sangue?

E o menino respondeu:

- Ela é minha amiga...

São em momentos de mais tristezas que paramos para pensar em o que aconteceu em nossas vidas.
As pessoas que por elas passaram. as coisas que fizemos e tudo que aprendemos.
São nesses momentos que começamos a lembrar de grandes amizades, que sempre estiveram presentes conosco quando precisávamos e que nunca poderíamos esquecer.
Amizades que, por mais longe que estivessem, nunca se separaram.
Amizades que, o tempo nunca foi capaz de apagar.
Amizades que, mesmo estando longe, estavas perto.
Amizades que a idade não as tornavam mais velhas porém, mais novas e unidas.
Amizades que uma crítica era um sinônimo de preocupação.
Amizades em que haviam discussões, mas sempre eram esquecidas por um abraço sincero e um pedido de desculpas.
Amizades onde a união sempre era algo fundamental no dia-a-dia.
Amizades em que o simples fato de estar perto já era sinônimo de segurança.
Amizades em que momentos tristes eram maneiras de comprovar que nunca íamos nos separar.
Amizades em que, quando menos esperávamos uma palavra amiga, ela soava e sempre quando mais precisávamos.
Amizades que sequer existiam mas, no momento de maior necessidade de um ombro amigo, apareciam e sempre nos fortaleciam.
Amizades em que um simples telefonema era algo que nos confortava e mantinha-nos seguros de que sempre teríamos alguém por perto.
São essas amizades de que sempre lembramos e sempre estarão conosco em nossos corações, mantendo-nos aquecidos, fortalecidos e seguros de que nunca estaremos sós!
E é assim que eu guardo vocês
MEUS AMIGOS
E é assim que eu quero ser guardada
Como alguém que estará longe, mas sempre se lembrará de vocês

São em momentos de tristeza que paramos para pensar em o que aconteceu em nossas vidas. As pessoas que por elas passaram; as coisas que fizemos e tudo que aprendemos. São nesses momentos que começamos a lembrar de grandes amizades, que sempre estiveram presentes conosco quando precisávamos e que nunca poderíamos esquecer.

Amizades que, por mais longe que estivessem, nunca se separaram; amizades que o tempo nunca foi capaz de apagar; amizades que, mesmo estando longe, estavam perto; amizades que a idade não tornava mais velhas, mas sim mais novas e unidas; amizades em que uma crítica era um sinônimo de preocupação.

Amizades em que havia discussões, mas sempre eram esquecidas por um abraço sincero e um pedido de desculpas; amizades onde a união sempre era algo fundamental no dia a dia; amizades em que o simples fato de estar perto já era sinônimo de segurança; amizades em que momentos tristes eram maneiras de comprovar que nunca íamos nos separar.

Amizades em que, quando menos esperávamos uma palavra amiga, ela soava e sempre quando mais precisávamos; amizades que sequer existiam mas, no momento de maior necessidade de um ombro amigo, apareciam e sempre nos fortaleciam; amizades em que um simples telefonema era algo que nos confortava e nos mantinha seguros de que sempre teríamos alguém por perto.

São essas amizades de que sempre lembramos e sempre estarão conosco em nossos corações, mantendo-os aquecidos, fortalecidos e seguros de que nunca estaremos sós! E é assim que eu guardo vocês, meus amigos. E é assim que eu quero ser guardada, como alguém que estará longe, mas sempre lembrará de vocês!