Mensagens de Pai

Quando Ketu completou doze anos de idade, foi mandado para um mestre, com o qual estudou até completar vinte e quatro. Ao terminar seu aprendizado, voltou para casa cheio de orgulho.
Disse-lhe o pai:
- Como podemos conhecer aquilo que não vemos? Como podemos saber que Deus, o Todo Poderoso, está em toda parte?
O rapaz começou a recitar as escrituras sagradas, mas o pai o interrompeu:
- Isso é muito complicado; não existe uma maneira mais simples de aprendermos sobre a existência de Deus?
- Não que eu saiba, meu pai. Hoje em dia sou um homem culto, e preciso desta cultura para explicar os mistérios da sabedoria divina.
- Perdi meu tempo e meu dinheiro enviando meu filho ao mosteiro reclamou o pai.
E pegando Ketu pelas mãos, levou-o a cozinha. Ali, encheu uma bacia com água, e misturou um pouco de sal. Depois, saíram para passear na cidade.
Quando voltaram para casa, o pai pediu a Ketu:
- Traga o sal que coloquei na bacia.
Ketu procurou o sal, mas não o encontrou, pois já se havia dissolvido na água.
- Então não vê mais o sal? perguntou o pai.
- Não. O sal está invisível.
- Prova, então, um pouco da água da superfície da bacia. Como está ela?
- Salgada.
- Prova um pouco da água do meio: como está?
- Tão salgada como a da superfície.
- Agora prova a água do fundo da bacia, e me diz qual o seu gosto.
Ketu provou, e o gosto era o mesmo que experimentara antes.
- Você estudou muitos anos, e não consegue explicar com simplicidade como o Deus Invisível está em toda parte disse o pai.
Usando uma bacia de água, e chamando de sal a Deus, eu poderia fazer qualquer camponês entender isso. Por favor, meu filho, esqueça a sabedoria que nos afasta dos homens, e torne a procurar a Inspiração que nos aproxima.

Perto da minha casa existe um parque onde as pessoas vão no final de semana e levam seus filhos para brincar, jogar bola e passear de bicicleta.
A pista de caminhada é grande e dá uma volta ao redor de um lago cheio de peixes e patos, ou melhor, temíveis patos. Digo isto, pois certa vez eu estava caminhando por esta pista quando vi um menino aflito pelo fato de os patos estarem na pista e ele não conseguir passar com a bicicleta, por medo dos patos.
O menino olhou para trás e perguntou ao pai: Pai! Os patos vão me morder? O pai deu um sorriso e disse: Não meu filho. Quando você passar com a bicicleta eles sairão da pista. E além disso, eu estou aqui com você.
Que maravilhosa lição isto nos traz não é mesmo? Isto me fez pensar que mesmo em um parque lindo e tranquilo a qualquer momento os temíveis patos poderiam aparecer, mas se isto acontecer eu não estarei sozinho.
O menino poderia escolher se arriscar sozinho pela pista ou contar com a ajuda do pai. Nós também podemos fazer esta escolha todos os dias quando levantamos. Vamos nos arriscar em nossa caminhada diária ou vamos viver com a certeza de que nosso Pai está conosco e se os patos aparecerem ele nos guiará pelo caminho seguro?
Às vezes é difícil acreditar que nosso Deus está tão presente em nossa vida quanto aquele pai que estava ajudando seu filho, mas eu lhe digo que foi Deus quem colocou na vida daquele menino aquele pai. Da mesma forma foi Ele quem desejou que você lesse esta mensagem e confiasse integralmente nele.

Oi pai, é, eu cresci mas de nada eu esqueci. Me lembro de cada momento que tivemos uns grandes, outros pequenos mas todos ficaram aqui gravados como se estivessem tatuados. É pai, cresci Mas você nunca saiu daqui de dentro do meu coração, Viveu sempre a sua imagem, muitas vezes envolta em saudade.
Se lembra quando eu ainda era criança? Um tico de gente e você jovem e eloquente? Me dava a sua mão pra caminharmos E naquele instante o mundo pra mim parava Naquele momento nada me ameaçava.
Se lembra do meu sorriso quando encontrava o seu? Das minhas lágrimas que você secava quando algo me chateava? Se lembra quando passeávamos, andávamos de bicicleta e conversávamos?
Pai, era tudo tão bom. A sua companhia era uma alegria O seu olhar o meu porto seguro e a sua voz pra mim era o mundo. Mas eu cresci pai a vida mudou me acorrentou em compromissos me arrancou um pouco de você e é por isso que hoje eu vim aqui lhe dizer que na verdade, nada mudou...
Você continua sendo o meu amor o meu espelho O meu grande conselheiro a ponte para atravessar qualquer rio. O porto seguro do meu navio. Pai, eu ter crescido, você ter cabelos brancos, na verdade, não quebrou o encanto porque ele vive é dentro de nós.
Me perdoa muitas vezes a distância faz parte da minha ignorância Quem sabe até da minha infância. Aquela que eu ainda trago dentro de mim e que na verdade gosto que seja assim Porque sendo como é nunca esqueço do seu valor Embora essa minha distância As vezes lhe leve a dor.
Olha pai, eu só vim aqui mesmo pra dizer que não teria conseguido se não fosse o seu amor o seu carinho e o seu calor. E agradeço a Deus todo dia Por ter colocado na minha vida a sua grande companhia!!!

É, meu velho Capitão... Vejo você ai recostado Olhando o mar, o infinito profundo. Nas rugas de seu rosto cansado delineado o traçado das rotas navegadas... Vivências e experiências passadas. Mãos calejadas, marcadas pela condução da embarcação. Brancos cabelos como espumas do mar
É Pai, meu velho Capitão... Quantas coisas a recordar. Quantas lembranças, quantos ensinamentos. Alegrias, desentendimentos, presenças e ausências. Imagens... Aparências. E, apesar de sermos diferentes aqui ou ali. É bom saber que juntos caminhamos vendo, ouvindo... como amigos sentindo.
Recordações de menino que um dia foi. Brincadeiras, colegas de escola, tempo passado Dos estudos, das dificuldades e das "artes". A adolescência, os namoros. Cinema... o beijo furtivamente roubado. É Pai, meu velho Capitão... Como é grande a sua missão. Bússola e sextante a nos guiar... Alertar, ensinar, amparar, proteger, repreender. Archote na terra, no céu e no mar.
Porto seguro, mastro mestre da família. Ao casar-se, de ser só filho deixou a ser pai, também passou. Trabalhou duro, suou, sofreu, criou fortunas que não são suas, Carros que jamais dirigiu, sonhos que nunca viveu, anseios que sufocou...
É Pai, meu velho Capitão... Como é grande a sua missão, e por vezes nem dei conta da carga... Mas lá em cima está tudo contabilizado. Sabe Pai, não é fácil falar de você, resta-me apenas te abraçar e olhando nos seus olhos, dizer-te de coração: Muito obrigado Pai, meu querido amigo, meu velho Capitão!

Um menininho brincava no tanque de areia da praça naquela manhã de sábado. Tinha com ele sua caixa de carrinhos e caminhões, seu balde plástico e uma pá vermelha brilhante. No processo de criar estradas e túneis na areia macia, ele descobriu uma pedra grande no meio do tanque de areia.
O mocinho cavou ao redor da pedra, conseguindo desalojar a sujeira. Com muito esforço, usando as mãos, os pés e em todas as posições possíveis, ele conseguiu empurrar a pedra através do tanque de areia. Era um menino muito pequeno e a pedra, para ele, era enorme. Quando o menino alcançou a borda do tanque de areia, ele descobriu que mais difícil ainda ia ser passar a pedra sobre a pequena parede.
Determinado, o menininho empurrou, empurrou e empurrou, mas a cada vez que ele achava ter feito algum progresso, a pedra virava e rolava de volta para o tanque. O menininho grunhiu, lutou, empurrou, mas sua única recompensa era ter a pedra rolando de volta, esmagando seus dedinhos rechonchudos. Finalmente rompeu em lágrimas de frustração.
Durante todo o tempo, seu pai o observava de sua janela, aguardando o desenvolvimento de todo o drama. No momento em que as lágrimas caíram, uma sombra grande caiu sobre o menino. Era seu pai. Suavemente mas com firmeza, ele disse, – Filho, por quê você não usou toda a força que você tinha disponível?
Derrotado, o menino respondeu, – Mas eu usei, pai! Usei toda a força que eu tinha! – Não, meu filho, corrigiu o pai bondosamente. – Você não usou toda a força que você tinha. Você não me pediu ajuda.
E o pai do menino se abaixou, pegou a pedra e a retirou do tanque de areia.
Soa familiar? Todos temos pedras a mover, e precisamos ir diretamente ao nosso Pai para conseguir que o trabalho seja feito!

Um médico entrou no hospital com pressa depois de ser chamado... é uma cirurgia de urgência. Ele respondeu à chamada o mais rápido possível, trocou de roupa e foi direto para centro cirúrgico.
Ele encontrou o pai do menino indo e vindo na sala de espera do médico. Depois de vê-lo, o pai gritou:
Por que você levou todo esse tempo para vir? Você não sabe que a vida do meu filho está em perigo? Você não tem senso de responsabilidade?.
O médico sorriu e disse:
Lamento, eu não estava no hospital e eu vim o mais rápido que pude depois de receber a ligação... E agora, eu gostaria que você se acalmasse para que eu possa fazer meu trabalho.
"Acalmasse? Se fosse seu filho que estivesse nesta sala agora, iria se acalmar? Se o seu próprio filho morresse agora o que você iria fazer?, Disse o pai com raiva.
O médico sorriu novamente e respondeu: "Eu vou dizer o que disse Jó na Bíblia Sagrada: Do pó viemos e ao pó voltaremos. Bendito seja o nome de Deus. Os médicos não podem prolongar a vida. Vá e interceda por seu filho, vamos fazer o nosso melhor pela graça de Deus.
"Dar conselhos é fácil", murmurou o pai.
A cirurgia levou algumas horas e depois que o médico saiu feliz, "Graças a Deus! Seu filho está salvo!
E sem esperar a resposta do pai o medico saiu correndo. "Se você tem alguma dúvida, pergunte a enfermeira! Disse o medico."
"Por que ele é tão arrogante? Ele não podia esperar alguns minutos para que eu pudesse perguntar sobre o estado do meu filho, comentou o pai ao ver os enfermeiros minutos depois que o médico saiu.
A enfermeira respondeu, com lágrimas descendo seu rosto: "Seu filho morreu ontem num acidente de viação, ele estava no enterro, quando o hospital o chamou para a cirurgia de seu filho. E agora que ele salvou a vida de seu filho, ele saiu correndo para terminar o enterro de seu filho..
Nunca julgue ninguém, porque você nunca sabe como sua vida é e ao que está acontecendo ou o que eles estão passando.