Mensagens de Deus

Quando Ketu completou doze anos de idade, foi mandado para um mestre, com o qual estudou até completar vinte e quatro. Ao terminar seu aprendizado, voltou para casa cheio de orgulho.
Disse-lhe o pai:
- Como podemos conhecer aquilo que não vemos? Como podemos saber que Deus, o Todo Poderoso, está em toda parte?
O rapaz começou a recitar as escrituras sagradas, mas o pai o interrompeu:
- Isso é muito complicado; não existe uma maneira mais simples de aprendermos sobre a existência de Deus?
- Não que eu saiba, meu pai. Hoje em dia sou um homem culto, e preciso desta cultura para explicar os mistérios da sabedoria divina.
- Perdi meu tempo e meu dinheiro enviando meu filho ao mosteiro reclamou o pai.
E pegando Ketu pelas mãos, levou-o a cozinha. Ali, encheu uma bacia com água, e misturou um pouco de sal. Depois, saíram para passear na cidade.
Quando voltaram para casa, o pai pediu a Ketu:
- Traga o sal que coloquei na bacia.
Ketu procurou o sal, mas não o encontrou, pois já se havia dissolvido na água.
- Então não vê mais o sal? perguntou o pai.
- Não. O sal está invisível.
- Prova, então, um pouco da água da superfície da bacia. Como está ela?
- Salgada.
- Prova um pouco da água do meio: como está?
- Tão salgada como a da superfície.
- Agora prova a água do fundo da bacia, e me diz qual o seu gosto.
Ketu provou, e o gosto era o mesmo que experimentara antes.
- Você estudou muitos anos, e não consegue explicar com simplicidade como o Deus Invisível está em toda parte disse o pai.
Usando uma bacia de água, e chamando de sal a Deus, eu poderia fazer qualquer camponês entender isso. Por favor, meu filho, esqueça a sabedoria que nos afasta dos homens, e torne a procurar a Inspiração que nos aproxima.

Rezar ou pedir por alguém a Deus, em vida ou após a morte deste, que sempre tenha se destacado por sua bondade e honradez, numa análise mais profunda, poderia até ser embaraçoso junto ao Pai, pois quem melhor que Ele para saber dos privilégios deste conseguido, e com louvor, numa vida inteira de retidão? Poderia soar como que achássemos não ser Ele, em sua infinita sabedoria, capaz de ter mais ciência que nós das intimidades na evolução desta alma provavelmente já iluminada.

Uma situação diferente porém poderá se observar no caso daquele provido de virtudes e em comunhão com Deus, ao rezar ou pedir por alguém em vida ou que se fora, após uma existência desregrada e de desrespeito com seus semelhantes, onde dele só poderia se esperar atos de egoísmo. Neste caso Deus, do alto de sua bondade, poderá levar em consideração tal pedido, pois fora este o desejo de alguém com créditos conseguidos ao longo de sua jornada nesta vida, mesmo porque este pedido fora feito por alguém em benefício de outro o que torna tal atitude mais valorosa.

É por este e outros motivos que devemos muito mais agradecer a Deus do que lembrarmos Dele apenas para pedir. Se Ele sabe muito mais que nós de nossa própria existência, porque forçarmos para termos um destino diferente daquele já por Ele traçado?

Se nosso desânimo momentâneo vier à tona, muitas vezes por mesquinharias não conseguidas em nossa ânsia de sempre mais querer, certamente é porque Ele em seu infinito discernimento sabe que aquele desejo sendo realizado, poderia nos trazer muito mais infelicidade do que suportaríamos ao vivenciá-lo.

Era uma vez um anjinho, muito distraído, chamado Amorel ele recebeu uma incumbência de Deus:

- Amorel, acabo de inventar os humanos, eles estão classificados como homem e mulher.

Cada um tem seu par e já estão todos alinhados de par em par.

Pegue esta bandeja de humanos e leve para que eles habitem a Terra.

Amorel, ficou contente, pois há muito tempo o Senhor não o chamava para tão nobre trabalho.

O anjinho pegou a bandeja e ao virar uma esquina lá no céu, trombou com uma anjinha chamada Amanda.

A bandeja voou longe, e todos os casais de humanos se misturaram.

Amorel e Amanda ficaram desesperados e foram contar para Deus o ocorrido.

O Senhor falou:

- Vocês derrubaram, vocês juntarão!

Porém, parece que Deus se esqueceu que os anjinhos eram distraídos.

E é por isso que a cada dia os casais se juntam e se separam.

Os dois anjinhos, trabalham incessantemente para que os casais originais se encontrem.

O trabalho é muito difícil, tanto é que por muitas vezes eles juntam casais errados, pois os humanos espalhados ficam inquietos e cobram o serviço dos anjinhos o tempo todo.

Quando os humanos se mostram muito desesperados, os anjinhos unem dois desesperados, mas logo depois percebem o engano e os separaram.

E, por muitas vezes, está separação é brusca, pois não se tem tempo a perder.

Recebi um bilhete dos dois anjinhos e vou mandar pra você agora:

"Se você é um humano, queremos pedir desculpas pela nossa distração, pois errar não é só humano!

Estamos trabalhando com empenho, porém, sempre contando com a ajuda de vocês.

Não se desesperem mas também, não se isolem, tentem se mostrar realmente, quem é cada um de vocês, pois a medida que cada um mostrar o que é de verdade, vai tornar o nosso trabalho mais fácil.

Aproveitamos a oportunidade, para nos desculpar pelas separações abruptas, sabemos que elas geram muito transtorno, mas se nós o separamos de alguém, é por que em algum canto vimos alguém bem mais parecido e por isso precisamos isolá-los para facilitar o encontro.

Fiquem com Deus."

Você veio a este mundo repleto de valor.

Quando Deus nos criou, viu que isso era "muito bom". Você é a coisa mais interessante que Deus já criou. Você tem mais potencial do que qualquer outra criatura que Deus tenha feito.

Você pode não ter atingido ainda o seu potencial ou realizado as suas possibilidades, mas isso não diminui o seu valor. Durante toda sua vida, você terá um valor inerente como pessoa.

Na vida fazemos muitos julgamentos. Fazemos julgamentos sobre o que vestir, o que comer, aonde ir, que carreiras seguir e quem escolher para amigos, mas nenhum julgamento é tão importante como o que fazemos sobre nós mesmos.
Este único julgamento influencia tudo o que fazemos, afetando as nossas atitudes quanto à vida. Este julgamento se torna o catalisador que inicia e enriquece nossos relacionamentos. O relacionamento que temos com nós mesmos é o mais importante que teremos. As melhores coisas da vida vêm para aqueles que apreciam a si mesmos.

Algumas pessoas têm dificuldade em acreditar que sucesso, ou grandeza ou valor, podem acontecer nas suas vidas, ou nas vidas daquelas que estão ao seu redor.

Grandeza e sucesso emergem de pessoas que começam a aceitar a si mesmas e as habilidades que lhes foram dadas por Deus.

Você não pode fazer tudo, mas lembre que você pode fazer algo: "Eu sou apenas um, mas ainda sou um. Não posso fazer tudo, mas ainda posso fazer algo; e porque não posso fazer tudo, não recusarei fazer algo que posso fazer".
Você é alguém especial. Aceite isso. Celebre isso. Esse é o início de uma vida de sucesso.

A verdadeira humildade é você dar o melhor de si sem se sentir melhor que os outros.

É você ter consciência das suas qualidades, mas reconhecer que tem muitos defeitos também.

É você mostrar os seus talentos sem querer abafar os talentos dos outros.

É você admirar os outros pelo que eles são sem esquecer que você também é filho de Deus.

É você admirar os outros pelo que fazem sem esquecer que você também é capaz de fazer coisas maravilhosas.

É você aceitar cargos importantes, mas fazer deles uma maneira de servir ainda mais.

É você aceitar a vontade de Deus sem abrir mão da sua responsabilidade de tomar decisões e fazer a sua parte.

É você saber que faz parte do universo e que é uma peça importante na engrenagem criada por Deus.

É você dar a sua opinião com a disposição de ouvir a opinião do outro.

É você ser capaz de aprender com os outros sem perder sua identidade própria.

É você usar os bens da melhor forma possível, sem se tornar escravo deles.

É você saber viver na simplicidade sem sentir-se superior àqueles que são apegados às coisas.

É você olhar para a frente e seguir adiante sem esquecer quem está do seu lado.

É você escalar alturas sem pisar em ninguém.

É você saber que a santidade só faz sentido na convivência com as pessoas.

É você oferecer aos outros o que você tem de melhor sem impor-se a ninguém.

É você não depender de elogios nem recompensas para fazer o que é certo.

A verdadeira humildade é você ser como uma flor: frágil e efêmeras, mas que desabrocha beleza e exala perfume.