Homem - Mensagens

Uma conversa muito interessante entre Deus e o Homem. Leia e não deixe de compartilhar com seus amigos.

Homem: Deus posso te fazer uma pergunta?

Deus: Claro

Homem: Promete que não vai ficar bravo comigo?

Deus: Prometo!

Homem: Porque você fez tanta coisa me acontecer hoje?

Deus: Como assim?

Homem: Bem, hoje eu acordei atrasado

Deus: Sim...

Homem: Meu carro demorou uma eternidade pra ligar

Deus: Ok...

Homem: Na hora do almoço eu pedi um lanche, veio errado e eu tive que esperar por outro um tempão

Deus: Ahan...

Homem: No caminho de volta pra casa que ia atender uma ligação e meu celular MORREU!

Deus: Certo...

Homem: Não bastava tudo isso me acontecer, quando cheguei em casa, eu só queria por meus pés de molho na minha bacia de massagem e relaxar!! Mas isto não aconteceu!! Alias NADA deu certo hoje pra mim!!!
Por que você fez isso?????

Deus: Ok vou te falar... Sabe filho, hoje de manhã o anjo da morte estava rodeando a sua cama, mas eu enviei um dos meus anjos para lutar com ele a favor de sua vida! Eu apenas deixei você dormir enquanto tudo isso acontecia...

Homem: OH!!!
Deus: Eu não deixei o seu carro ligar rapidamente esta manhã porque havia um motorista bêbado na rota que você trafega diariamente para o trabalho e ele iria bater no seu carro.

Homem: "sem reação"

Deus: Na hora do almoço, a primeira pessoa que fez o seu sanduíche estava doente e eu não queria que você se contaminasse com nenhuma virose. Ainda mais sabendo que você não esta podendo se dar o luxo de faltar do trabalho.

Homem: "envergonhado"

Deus: Seu celular morreu porque a pessoa que te ligou ia dizer coisas falsas sobre você a respeito do que você ia contar a ela naquela ligação. Então eu nem deixei que você atendesse.

Homem: Ooh... Eu posso entender Senhor...

Deus: Ah e a sua bacia de massagem está com um problema que se ligasse iria causar um curto circuito na energia da sua casa hoje a noite. Eu pensei que você não gostaria de ficar no escuro.

Homem: Ooh me desculpe Senhor...

Deus: Não precisa se desculpar filho, apenas aprenda a confiar em mim em todas as situações boas e ruins. E não duvide que meus planos são sempre melhores do que os seus.

Homem: Eu prometo que não irei me esquecer disso. Obrigado por tudo o que o Senhor fez por mim hoje.

Deus: De nada filho. Este foi apenas mais um dia que te provei que sou o seu Deus que ama cuidar de ti.
Por que sentimos sono quando estamos fazendo nossas obrigações, mas conseguimos nos manter acordados vendo um filme de 3 horas?
Por que achamos tão comum ignorar mensagens de Deus, mas rapidamente repassamos mensagens de zoeira?

Por que é tão fácil se tornar fã e seguir celebridades nas redes sociais, mas é tão difícil assumir um compromisso com Deus...

O Homem é a mais elevada das criaturas, a Mulher é o mais sublime dos ideais!

Deus fez para o Homem um trono, para a Mulher, um altar. O trono exalta, o altar santifica!

O Homem é o cérebro, a Mulher, o coração. O cérebro produz a luz; o coração, amor. A luz fecunda; o amor ressuscita!

O Homem é o gênio, a Mulher é o anjo... O gênio é imensurável; o anjo, indefinível!...

A aspiração do Homem é suprema glória; a aspiração da Mulher, a virtude suprema... A glória traduz grandeza, a virtude traduz divindade!...

O Homem tem a supremacia; a Mulher, a preferência... A supremacia representa a força, a preferência representa o direito!...

O Homem é forte pela razão; a mulher é invencível pela lágrima... A razão convence, a lágrima comove!...

O Homem é capaz de todos os heroísmos; a Mulher, de todos os martírios... O heroísmo enobrece; o martírio sublima!...

O Homem é o código; a Mulher, o evangelho... O código corrige; o evangelho aperfeiçoa!...

O Homem é o templo; a Mulher, um sacrário... Ante o templo, nos descobrimos; ante o sacrário, ajoelhamo-nos!...

O Homem pensa, a Mulher sonha... Pensar é ter cérebro; sonhar é ter na frente uma auréola!...

O Homem é um oceano; a mulher, um lago... O oceano tem a pérola que o embeleza, o lago tem a poesia que o deslumbra!...

O Homem é a águia que voa; a Mulher, o rouxinol que canta... Voar é dominar o espaço, cantar é conquistar a alma!...

O Homem tem um farol: a experiência; a Mulher tem uma estrela, a esperança... O farol guia, a esperança salva!...

Enfim, o Homem está colocado onde termina a Terra; a mulher, onde começa o Céu!...

Há mulheres de todos os gêneros: histéricas, batalhadoras, frescas, profissionais, chatas, inteligentes, gostosas, parasitas, sensacionais.
Mulheres de origens diversas, de idades várias, mulheres de posses ou de grana curta.
Mulheres de tudo quanto é jeito.
Mas, se eu fosse homem prestaria atenção apenas num quesito: se a mulher é do tipo que puxa pra cima ou se é do tipo que empurra pra baixo.

Dizem que por trás de todo grande homem existe uma grande mulher!
Meia-verdade. Ele pode ser grande estando sozinho também.
Mas, com uma mulher xarope ele não vai chegar a lugar algum.

Mulher que puxa pra cima é mulher que aposta nas decisões do cara, que não fica telefonando para o escritório toda hora, que tem a profissão dela, que o apoia quando ele diz que vai pedir demissão por questões éticas e que confia que vai dar tudo certo.

Mulher que empurra pra baixo é a que põe minhoca na cabeça dele, a que tem acessos de carência bem na hora que ele tem que entrar numa reunião, a que não avaliza nenhuma mudança que ele propõe, a que quer manter tudo como está.

Mulher que puxa pra cima é a que dá uns toques na hora de ele se vestir, a que não perturba com questões menores, a que incentiva o marido a procurar os amigos, a que separa matérias de revista que possam interessá-lo, a que indica livros, a que faz amor com vontade.

Mulher que empurra pra baixo é a que reclama do salário dele, a que não acredita que ele tenha taco pra assumir uma promoção, a que acha que viajar é despesa e não investimento, a que tem ciúmes da secretária.

Mulher que puxa pra cima é a que dá conselhos e não palpite, a que acompanha nas festas e nas roubadas, a que tem bom humor.

Mulher que empurra pra baixo é a que debocha dos defeitos dele em rodinhas de amigos e que não acredita que ele vá mais longe do que já foi.

Se por trás de todo grande homem, existe uma grande mulher, então vale o inverso também: por trás de um pequeno homem, talvez exista uma mulherzinha de nada.

O homem aproximou-se do espinheiro. Ergueu a mão para tocá-lo e um "ai!" de dor brotou de seus lábios.
Um rubi de sangue brilhou no seu dedo. O homem limpou o sangue e disse fitando o espinheiro: – Eu te perdoo!
Admirei e louvei dentro de mim aquele homem que possuía o doce dom de perdoar.
E aconteceu que veio outro homem. Parou junto ao espinheiro, ergueu a mão para tocá-lo, e o espinho o picou. Mas o homem limpou em silêncio a ferida, contemplou com amor o espinheiro, e não disse: – Eu te perdoo!
Tive, então, este pensamento: – O primeiro homem era um santo: sabia perdoar!
Este outro não sabe! Mas o meu Senhor, interrompendo a minha cisma, disse: – Quem não sabe é você! – Como, Senhor? Então o primeiro homem... – Sim, é um santo, porque perdoou quando foi preciso! – E o segundo? – É mais santo ainda, porque não tem necessidade de perdoar.
E como eu ficasse perplexo, com o olhar perdido na incompreensão e na dúvida, o Senhor me disse: – O espinheiro fere, porque é espinheiro. Ainda que ele quisesse jamais poderia perfumar.
O primeiro homem sentiu a dor da picada, e como não sabia nada, atribuiu a culpa ao espinheiro. Mas, como era puro de coração, perdoou.
O outro homem sentiu a mesma dor, mas como sabia que todo espinheiro fere, pois o espinheiro é assim, não se sentiu ofendido. E como nada tinha a perdoar, não perdoou.
Desde então sofro menos quando os espinhos me ferem. Dói-me na alma a ferida, mas minha alma sabe que não há ofensa. E como não há ofensa, não há perdão.
É assim que do meu peito brota um piedoso amor pelo espinho que não chegou a ser flor. Meu sofrimento se transforma em ternura porque já aprendi a não perdoar!

Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Era meu amigo, leal companheiro e confidente Com quem eu conversava de forma transparente Sem reservas e tão cheia de confiança...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Você que me fez de novo ser criança Levando-me de volta à longínqua infância Suscitando o extravasar do meu "porão"...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Que soube sondar como ninguém meu coração Que ocupou espaços vazios e me fez plena Que me refletiu e fez a vida valer a pena...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Que era todo o meu entusiasmo e inspiração Que fez nascer rascunhos em verso e prosa Que soube despertar a mulher amorosa...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Que sempre, sempre se importou comigo Que nunca me negou o ombro amigo Na hora dos meus impasses, dúvidas, aflição...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? A quem, do Sousa, eu enviava um hino E na troca, da Amália, eu recebia um fado Em doces permutas, tão do nosso agrado...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? De cuja amizade eu tanto me orgulhava Pelo seu modo de ser que eu tanto adorava E como joia rara, no peito eu te guardava...
Cadê você, homem, o que foi feito de ti? Que silenciou de repente qual se tivesse morrido Ou será que fui eu que morri (em ti) sem ter percebido Procurando-te em vão, entre lágrimas e gemidos...
Mas, homem, noto agora que já estou meio morta Apesar do derradeiro rascunho, você já não me importa Porque na verdade, você nunca existiu Foi tudo engodo, miragem, alucinação Porque amigos verdadeiros não nos deixam na mão E mesmo que tenham que ir embora Pelos ditames do destino e pelo apelo da hora, Avisam-nos da partida, deixando uma doce saudação...

Quem faz jus ao título de "grande homem"? Não sei...
O homem inteligente? Não basta ter inteligência para ser grande... O homem poderoso? Há também poderosos mesquinhos...
Não basta qualquer forma de religião. Podem todos esses homens possuir muita inteligência, muito poder, e certo espírito religioso – e nem por isso ser grandes homens. Pode ser que lhes falte certo vigor e largueza, certa profundidade e plenitude, indispensáveis à verdadeira grandeza.
Podem os inteligentes, os poderosos, os virtuosos não ter a necessária liberdade de espírito... Pode ser que as suas boas qualidades não corram com essa vasta e leve espontaneidade que caracteriza todas as coisas grandes.
Pode ser que a sua perfeição venha mesclada com um quê de acanhado e tímido, com algo de teatral e violento. O grande homem é silenciosamente bom... É genial, mas não exibe gênio... É poderoso, mas não ostenta poder... Socorre a todos, sem precipitação... É puro, mas não vocifera contra os impuros...
Adora o que é sagrado, mas sem fanatismo... Carrega fardos pesados, com leveza e sem gemido... Domina, mas sem insolência... É humilde, mas sem servilismo... Fala às grandes distâncias, mas sem gritar... Ama, sem se oferecer... Faz bem a todos, antes que se perceba...
O grande homem "Não quebra cana fendida, nem apaga a mecha fumegante, nem se ouve o seu clamor nas ruas..." Rasga caminhos novos sem esmagar ninguém... Abre largos espaços, sem arrombar portas... Entra no coração humano, sem se saber como...
Tudo isto faz o grande homem, porque é como o sol, esse astro assaz poderoso para sustentar um sistema planetário, e assaz delicado para beijar uma pétala de flor... Assim é, e assim age o homem verdadeiramente grande — porque é instrumento nas mãos de Deus...
Desse Deus de infinita potência e de supremo amor... Desse Deus, cuja força governa a imensidade do cosmos — e cuja paciência tolera as fraquezas do homem...
O grande homem é, mais do que ninguém, imagem e semelhança de Deus.