Mensagens de Professor

A Mãe e o Pai estavam assistindo televisão, quando a Mãe disse: – Estou cansada e já é tarde. Vou me deitar.
Foi à cozinha fazer uns sanduíches para o lanche do dia seguinte na escola, passou uma água nas taças, tirou carne do freezer para o jantar do dia seguinte, confirmou se as caixas dos cereais não estavam vazias, encheu o açucareiro, pôs tigelas e talheres na mesa e preparou a cafeteira do café para estar pronta para ligar no dia seguinte. Pôs ainda umas roupas na máquina de lavar, passou uma camisa e pregou um botão que estava caindo.
Guardou umas peças do jogo que ficaram em cima da mesa, e pôs a agenda do telefone no lugar dela. Regou as plantas, colocou o lixo, e pendurou uma toalha para secar.
Bocejou, espreguiçou-se, e se dirigiu para o quarto. Parou ainda na secretária e escreveu uma nota para o professor, pôs num envelope o dinheiro para uma visita de estudo, e apanhou um caderno que estava caído debaixo da cadeira.
Assinou um cartão de parabéns para uma amiga, selou o envelope, e fez uma pequena lista para o supermercado. Colocou ambos perto da carteira.
Nessa altura o Pai disse lá da sala – Pensei que você tinha ido deitar – Estou a caminho, respondeu ela.
Pôs água na tigela do cão, e chamou o gato para dentro de casa. Certificou-se que as portas estavam fechadas.
Espreitou para o quarto de cada um dos filhos, apagou a luz, pendurou uma camisa, atirou umas meias para o cesto da roupa suja, e conversou um bocadinho com o mais velho que ainda estava estudando.
Já no quarto, acertou o despertador, preparou a roupa para o dia seguinte e arrumou os sapatos. Depois lavou o rosto, passou creme, escovou os dentes e acertou uma unha partida.
A essa altura, o pai desligou a televisão e disse: – Vou me deitar... E foi... Sem mais nada.
Notam aqui alguma coisa de extraordinário? Ainda perguntam porque é que as mulheres vivem mais...?

Aos sete anos de idade, eu desejava muito estudar violino e mamãe, com algum sacrifício, comprou o instrumento e contratou um professor para mim.
Após algumas semanas, vi que não conseguia executar nenhuma melodia e que tinha de fazer exercícios por horas intermináveis.
Então eu disse a minha mãe que havia desistido e ia abandonar o estudo.
Morávamos um pouco distante da cidade e foi enquanto caminhávamos – ela fora me buscar ao término de uma das aulas – que eu lhe expliquei o motivo do meu desânimo.
Por acaso passávamos pela casa de uma pessoa amiga que possuía um formoso pomar. – Veja, disse minha mãe, que frutas maravilhosas!
O espetáculo incendiou a minha imaginação infantil. Havia maçãs, peras, laranjas. Os galhos pendiam de tão carregados.
– Você gostaria de experimentar uma? Mamãe me perguntou.
– Oh! Gostaria sim. Aquela laranja grande e amarela como gema de ovo.
– Pois então pegue-a.
– Mas eu não posso, por causa da cerca. Além do mais, será que a dona do pomar vai permitir? – É mesmo. Você tem razão. Falaremos com ela.
Minha mãe chamou-a e ela consentiu, dizendo: – O portão do pomar fica ali adiante. É só vocês darem a volta.
Mamãe agradeceu e nós subimos até o pequeno portão, que ela abriu. Corri, colhi a laranja e voltei alegremente, com ela na mão. Então mamãe me disse:
– Está vendo? Para saborearmos os frutos apetecidos é necessário gastar algum tempo e caminhar, dar algumas voltas. Aquilo que realmente desejamos quase nunca está ao alcance de nossas mãos. Você vai ver que será assim durante toda a sua vida...
Imediatamente veio-me à cabeça a história do violino.
Voltei às aulas e aos exercícios, até que fui capaz de executar as minhas melodias prediletas.
E, ao longo de toda minha vida, guardei a lição de minha mãe quanto à necessidade de se empregar o tempo e dar as voltas precisas para alcançar os objetivos.

Fato ocorrido em 1892, verdadeiro e integrante de biografia.

Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário, que lia o seu livro de ciências. O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta.

Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de Marcos.

Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:
- O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?
- Sim, mas não é um livro de crendices. É a Palavra de Deus.
Estou errado?
- Mas é claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a História Universal.Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião.

Somente pessoas sem cultura ainda creem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

- É mesmo? E o que pensam e dizem os nossos cientistas sobre a Bíblia?

- Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário. Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito: Professor Doutor Louis Pasteur, Diretor Geral do Instituto de Pesquisas Científicas da Universidade Nacional da França. 'Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima.'

Não sou imune a dores, a tristezas nem ao desespero;
não sou imune a ofensas, a mentiras nem a mágoas;
Sou eu, assim do meu jeito,
me preocupando e cuidado à minha maneira peculiar de ser.
Não sou um ser incapaz de ter emoções,
posso ser um ser que, às vezes, é incapaz de demonstrá-las.
Não sou aliado de falsos sorrisos nem de condutas erradas,
não sou um opinador da vida alheia,
não me meto em problemas que não pertencem a mim.
Não sou decifrável nem previsível.
Não sou aquilo que pensam de mim.
Não sou alguém além de um simples ser humano,
cheio de problemas e confusões como todos os outros.
Não sou um santo, tenho os meus pecados.
Não sou quem não quero ser, nem sou aquilo que querem fazer de mim.
Não sigo padrões nem me encaixo em perfis pré-definidos.

SOU aquele que prefere a solidão à más companhias,
SOU aquele que fala quando alguém quer ouvir,
que ouve quando alguém quer falar,
que fica em silêncio quando for necessário.

Não sou perfeito, e longe de mim querer ser.

Eu sou eu. Não preciso de rótulos.
Se sou especial não cabe a mim julgar.

Sou criança, sou adulto...
Tenho a maturidade pra saber que nessa vida se for pra viver à sério demais não se vive.

Sou amigo, sou conselheiro...
Posso ter alguém a meu lado que me faz falta quando sai e se eu também fizer falta é porque fui importante na medida certa.

Sou aluno, sou professor...
Consigo aprender as pequenas lições que as pequenas coisas ensinam. E se puder passar um pouco do pouco que sei, isso me engrandece.

Sou de fases, tenho lados.
Um pessoa é como uma moeda, pra conhecê-la totalmente, você tem que conhecer todos os lados dela.

Sou igual por ser diferente.
Sou grande por ser pequeno.

Sei que sou muitas coisas e sei que não sou muitas outras mais.
Só sei que nem eu mesmo sei quem eu sou por completo.
Sou um reflexo no espelho, que só mostra aquilo que se vê,
o que tem por dentro é um mistério.

O que tem por dentro? Um dia eu ainda descubro...

Regra 1: A vida não é fácil, acostume-se com isso.

Regra 2: O mundo não está preocupado com a sua autoestima. O mundo
espera que você faça alguma coisa útil por ele ANTES de você sentir-
se bem com você mesmo

Regra 3: Você não ganhará US$ 40.000 por ano assim que sair da
escola.Você não será vice-presidente de uma empresa com carro e
telefone à disposição antes que você tenha conseguido comprar seu
próprio carro e telefone.

Regra 4: Se você acha seu professor rude e chato, espere até ter um
chefe. Ele não terá pena de você em nenhuma circunstância. Você será
cobrado o tempo todo.

Regra 5: Fritar hambúrgueres, cortar grama ou lavar carros não está
abaixo da sua posição social. Seus avós têm uma palavra diferente
para isso: eles chamam de "oportunidade".

Regra 6: Se você fracassar, não é culpa de seus pais, então não
lamente seus erros, aprenda com eles.

Regra 7: Antes de você nascer seus pais não eram tão chatos como são
agora. Eles só ficaram assim por pagar as suas contas, levar você à
escola, lavar suas roupas, fazer comida para você e ter que ouvir
você falar o quanto você é legal. Então, antes de salvar o planeta
para a próxima geração, querendo consertar os erros da geração dos
seus pais, tente limpar seu
próprio quarto, lavar seus talheres e ser mais amável com sua mãe.

Regra 8: Sua escola pode ter eliminado a distinção entre vencedores e
perdedores por imposição da Associação de Pais, Alunos e Mestres, mas
a vida não é assim, ela sempre fará esta distinção. Em algumas
escolas não se repete mais o ano letivo, e o aluno tem quantas
chances precisar até acertar. Isto não se parece absolutamente em
nada com a vida real. A vida não é dividida em semestres. Você não
terá sempre os verões livres e é pouco provável que outros empregados
o ajudem a cumprir suas tarefas no fim de cada período.

Regra 09: Televisão não é vida real. Na vida real, as pessoas têm que
deixar o barzinho ou o clube e ir trabalhar.

E a TOP...

Regra 10: Seja legal com os "Nerds" (CDF'S). "Existe uma grande
probabilidade de você vir a trabalhar para um deles."