Mensagens de Otimismo

Se sou bebê,
Por favor, me toque. Preciso do seu afago de uma maneira que talvez nunca saiba. Não se limite a me banhar, trocar a minha fralda e me alimentar, Mas me embale juntinho de você, beije meu rosto e acaricie meu corpo. Seu carinho gentil e confortador me transmite segurança e amor.
Se sou criança,
Por favor, me toque. Ainda que eu resista e até o rejeite, Insista, descubra um jeito de atender minha necessidade. Seu abraço de boa noite adoça meus sonhos. Seu carinho de dia me diz o que você sente de verdade.
Se sou seu adolescente,
Por favor, me toque. Não pense que eu, por estar quase crescido, já não precise saber que você ainda se importa. Necessito de seus braços carinhosos, de uma voz terna. Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar.
Se sou seu amigo,
Por favor, me toque. Nada como um abraço afetuoso para eu saber que você pensa em mim. Um gesto de carinho quando estou deprimido garante que sou amado, E me reafirma que não estou só Seu gesto de conforto talvez seja o único que eu consiga.
Se sou seu parceiro sexual,
Por favor, me toque. Talvez você pensa que sua paixão basta, Mas só seus braços detém meus temores. Preciso de seu toque terno e confortador, para me lembrar que sou amado apenas porque eu sou.
Se sou seu filho adulto,
Por favor, me toque Embora eu possa até ter minha própria família para abraçar, Ainda preciso dos seus braços quando me machuco. Como filho adulto, a visão é diferente, Eu os estimo mais ainda.
Se sou seu pai idoso,
Por favor, me toque, Do jeito que me tocaram quando era bem pequeno. Segura minha mão, sente-se perto de mim, dê-me força E aqueça meu corpo cansado com sua proximidade. Minha pele, ainda que enrugada, adora ser afagada, Não tenha medo,
Apenas me toque.

Havia um pai que morava com suas duas jovens filhas, meninas muito curiosas e inteligentes.
Suas filhas sempre lhe faziam muitas perguntas. Algumas ele sabia responder, outras não fazia a mínima ideia da resposta.
Como pretendia oferecer a melhor educação para suas filhas, as enviou para passar as férias com um velho sábio que morava no alto de uma colina. Este, por sua vez, respondia todas as perguntas sem hesitar. Já muito impacientes com essa situação, pois constataram que o tal velho era realmente sábio, resolveram inventar uma pergunta que o sábio não saberia responder.
Passaram-se alguns dias e uma das meninas apareceu com uma linda borboleta azul e exclamou para a sua irmã: "Dessa vez o sábio não vai saber a resposta!" "O que você vai fazer?" – perguntou a outra menina.
"Tenho uma borboleta azul em minhas mãos. Vou perguntar para o sábio se a borboleta está viva ou morta. Se ele disser que ela está morta, vou abrir minhas mãos e deixá-la voar para o céu. Se ele disser que ela está viva, vou apertá-la rapidamente, esmagá-la e assim matá-la. Como consequência, qualquer resposta que o velho nos der vai estar errada."
As duas meninas foram, então, ao encontro do sábio, que encontrava-se meditando sob um eucalipto na montanha. A menina aproximou-se e perguntou: "Tenho aqui uma borboleta azul. Diga-me sábio, ela está viva ou morta?" Calmamente o sábio sorriu e respondeu:
"Depende de você... ela está em suas mãos." Assim é com você! Você pode escolher entre ter uma vida de felicidade ou não, entre buscar a paz e a alegria ou fugir delas.
Faça a escolha certa! A decisão está em suas mãos!

Um grupo de ex-alunos, todos muito bem estabelecidos profissionalmente, se reuniu para visitar um antigo professor da universidade. Em pouco tempo, a conversa girava em torno de queixas de estresse no trabalho e na vida como um todo.
Ao oferecer café aos seus convidados, o professor foi à cozinha e retornou com um grande bule e uma variedade de xícaras – de porcelana, plástico, vidro, cristal. algumas simples, outras caras, outras requintadas. dizendo a todos para se servirem.
Quando todos os estudantes estavam de xícaras em punho, o professor disse: se vocês repararem, pegaram todas as xícaras bonitas e caras, e deixaram as simples e baratas para trás. Uma vez que não é nada anormal que vocês queiram o melhor para si, isto é a fonte dos seus problemas e estresse. Vocês podem ter certeza de que a xícara em si não adiciona qualidade nenhuma ao café. Na maioria das vezes, são apenas mais caras e, algumas vezes, até ocultam o que estamos bebendo.
O que todos vocês realmente queriam era o café, não as xícaras, mas escolheram, conscientemente, as melhores xícaras... e então ficaram todos de olho nas xícaras uns dos outros.
Agora pensem nisso: a vida é o café, e os empregos, dinheiro e posição social são as xícaras. Elas são apenas ferramentas para sustentar e conter a vida... e o tipo de xícara que temos não define, nem altera, a qualidade de vida que vivemos... a nossa felicidade!
Às vezes, ao nos concentrarmos apenas na xícara, deixamos de saborear o café que Deus nos deu. Deus côa o café, não as xícaras...
Saboreie o seu café!

Se você mantiver os olhos abertos, sempre há algo para ver
"Eu amo as cores. Tenho de tê-las. Adoro aquarelas, lápis de cera, pastéis, marcadores, tintas, quanto mais variados, melhor. Tenho de estar o tempo todo fazendo algo e me ocupando. Caso contrário, a vida fica muito monótona. Vou até a clínica e ajudo. Não importa o que eu faça lá – encher envelopes, colocar etiquetas em pastas, qualquer coisa que eles precisem que seja feita. E o tempo todo, fico assistindo ao espetáculo. A equipe corre de um lado para o outro, os pacientes tentam conseguir o que querem. Todos estão fazendo suas coisas e eu tenho um assento na primeira fila. É assim que vou seguindo em frente. Não sinto pena nenhuma de quem fica sentado em casa, reclamando que não tem vida. Se quiserem dar uma olhada, há um mundo inteiro aqui fora." Lila Lane 77 anos
A gentileza nunca é desperdiçada
"Eu não acredito que tenha quase cem anos e ainda possa lhe contar coisas que aconteceram quando eu era uma menininha. Lembro daquele fazendeiro velho e rabugento que vivia perto de nós. Ainda posso ouvi-lo gritando conosco quando meus irmãos, minha irmã e eu cortávamos caminho pelas terras dele a caminho da escola. Mas no auge do inverno, quando a neve estava funda demais para qualquer atalho, ali estava ele, surgindo pelo caminho com a sua carroça para garantir que chegássemos à escola antes de congelarmos até a morte. Você se lembra de coisas assim, de pessoas que foram boas para você. Quando eu tinha 17 anos e estava saindo de casa pela primeira vez, pequei o trem e sentei-me de frente para uma velha senhora. Nós nos atrasamos em Chicago e ficamos sentadas ali por muito tempo. Eu estava faminta. De repente, a senhora enfiou a mão na bolsa e me deu uma maçã. Até hoje, sinto o gosto dessa maçã." Agnes McDougal 98 anos