Mensagens de Frio

Durante uma conferência com alunos universitários um professor da Universidade de Berlim desafiou alguns alunos com esta pergunta: Deus criou tudo o que existe? Um aluno respondeu:
- Sim, criou.
- Deus criou tudo?
- Sim, senhor. - Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, então Deus é mau?
O jovem calou-se e o professor ficou feliz porque tinha provado que a fé é um mito.
Outro aluno levantou a mão e disse:
- Posso fazer uma pergunta, professor?
- Lógico que podes.
O jovem, de pé, perguntou:
- Professor, existe o frio?
- Claro que existe, ou tu nunca sentiste frio?
Respondeu o jovem: De facto o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio é ausência de calor.
Existe a escuridão? Continuou o aluno O professor respondeu: existe.
Mais um erro seu, professor. A escuridão também não existe. A escuridão é a ausência da luz.
Finalmente o aluno perguntou:
- Professor, o mal existe?
- Claro que existe: crimes, guerras. isso são coisas do mal.
O estudante respondeu: o mal não existe, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é a ausência do bem. Deus não criou o mal. O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente nos seus corações.
É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.
Este aluno foi aplaudido de pé, e o professor balançava a cabeça ficando calado
O Diretor da Universidade soube do caso e chamou o aluno e perguntou-lhe: como te chamas: e ele respondeu: Albert Einstein.

Sinto saudades de conversar com você. As vezes me pego pensando no misterioso livro do nosso ser. veja só nós dois: Não nos conhecemos, não temos um mundo real, no nosso mundo só os sentimentos são reais.O meu mundo real fica milhas e milhas distante do seu, Deus abe quantas... e mesmo assim nos encontramos, por isso acredito que as coisas que são nossas chegam até nós de maneira as totalmente inesperada.
Deus prepara tudo...é só acreditar! Tudo que sei é que nessa imensa rede, bendita rede... encontramos um mundo e fizemos o nosso, onde os anos luz de solidão, ou algo assim que já vivemos não faz sentido, tão pouco importância.
Aqui em frente a tela não podemos nos ver fisicamente, mas sentimos o pulsar do coração do outro cheio de vida, vida real. Também não sabemos ao menos a cor dos nossos olhos, mais sentimos a emoção do olhar, contido nas linhas de e-mails.
Se não sentimos a força do abraço, imaginamos seu calor e ficamos aquecidos. E o perfume? o que é uma essência comparado ao cheiro de amizade que exala perfumes de alegria por simplesmente ler no final da mensagem:
Um Cheiro ou um Abraço, nesse instante o cheiro imaginado se confunde com o nosso. Tenho sonhos de um dia sairmos da tela para a vida real, assim daremos abraços mais reais ainda e beijos muito mais gostosos. O tempo? que importa o tempo?
Conheço pessoas que se veem todos os dias e no entanto pouco se conhecem, não conhecem sequer o próprio coração, imagine um outro, essas são pessoas de risos falsos e de beijos frios e sem sabor de apertos de mãos mornos e abraços gelados, são amores falsos e amigos de momento.
No entanto aqui estou eu te falando essas coisas todas sem medo de parecer boba ou tola, poderia te falar também outras verdades sobre mim... sem medo de te desagradar, afinal talvez nunca nos vejamos mesmo... você também não me deixaria traumas, estamos acima dessas coisas... sei que um entenderia o outro a vida já passou muita rasteira na gente, eu gosto de ouvir, dou meu tempo e empresto o ombro.
Quando sentir necessidade olha eu aqui.
Esperando você.

Namora, quem lê nos olhos e sente no coração as vontades saborosas do outro.

Namora, quem se embeleza em estado de amor.
A pele melhora, o olhar fica com brilho de manhã.

Namora, quem suspira, quem não sabe esperar, mas espera, quem se sacode de taquicardia e timidez diante da paixão.

Namora, quem ri por bobagem, quem entra em estado de música, quem sente frios e calores nas horas menos recomendáveis.

Namorados que se prezam tem a sua música e não temem se derreter quando ela toca.
Ou, se o namoro acabou, nunca mais dela se esquecem.

Namorados que se prezam gostam de beijo, suspiro, morderem o mesmo pastel, dividir a empada, bebem no mesmo copo.
Apreciam ternurinhas que matam de vergonha fora do namoro ou lhes parecem ridículas nos outros.
Por falar em beijo, só namora quem beija de mil maneiras e sabe cada pedaço e gostinho da boca amada.
Beijo de roçar, beijo fundo, inteirão, os molhados, os de língua, beijo na testa, beijo livre como o pensamento, beijo na hora certa e no lugar desejado.
Sem medo, nem preconceito.
Beijo na face, na nuca e aquele especial atrás da orelha, no lugar que só ele ou ela conhece.

Por isso, só namora quem se descobre dono de um lindo amor, tecido do melhor de si mesmo e do outro.
Só namora quem não precisa explicar, quem já começa a falar pelo fim, quem consegue manifestar com clareza e facilidade tudo o que fora do namoro é complicado.

Namora, quem diz: "precisamos muito conversar" e quem é capaz de perder tempo, muito tempo, com a mais útil das inutilidades e pensar no ser amado, degustar cada momento vivido e recordar palavras, fotos e carícias com uma vontade doida de estourar o tempo e embebedar-se de flores astrais.

Namora quem é bom, quem gosta da vida, de nuvem, de rio gelado e de parque de diversões.

Namora quem sonha, quem teima, quem vive morrendo de amor e quem morre vivendo de amar.