Mensagens de Despedida De Trabalho

Hoje, fui a enterrar um querido e velho amigo. O Bom Senso com quem convivemos tantos anos. Ninguém sabe exatamente quantos anos tinha, já que a sua Certidão de Nascimento se perdeu nas gavetas da Burocracia. Será recordado pelas valiosas lições que nos deixou, tais como: Saber quando sair da chuva. O porquê do pássaro madrugador não passar fome. A vida não é sempre justa. E talvez a culpa fosse minha.
O Bom Senso vivia segundo sólidos princípios (não gastes mais do que ganhas),e normas fiáveis (quem manda são os adultos e não a crianças) A sua saúde começou a deteriorar-se quando regulamentos bem intencionados mas ditatoriais foram implementados. Noticias de que um rapaz de 6 anos tinha sido acusado de assédio sexual por beijar uma colega, adolescentes suspensos por usarem antisséptico bucal após o almoço. e uma professora despedida por repreender um estudante malcomportado, só pioraram a sua condição
O Bom Senso piorou quando os pais repreenderam os professores por fazerem o trabalho que lhes competia, o de disciplinarem os próprios filhos.
O Bom Senso perdeu a vontade de viver quando as Igrejas se transformaram em empresas. E os criminosos passaram a receber melhor tratamento que as vítimas.
Bom Senso ressentiu-se quando já não se podia defender dum ladrão em sua casa e este o podia acusar de agressão.
Bom Senso desistiu de viver depois duma mulher incapaz de compreender que um café fumegante estava quente, derramou um pouco nas coxas e recebeu uma indemnização grande por isso.
Bom Senso foi precedido no seu falecimento pelos seus pais, Verdade e Confiança. sua mulher Discrição e suas filhas, Responsabilidade e Sensatez.
Sobreviveram-lhe 4 enteados: Conheço os meus direitos. Quero Isto Já. A Culpa Não É Minha e Eu Sou Uma Vítima.
Poucos foram ao seu funeral, pois poucos deram pela sua morte. Se ainda o recordarem reencaminhem a notícia, se não, que descanse em paz.

Certo Padre recebia um jantar de despedida pelos 25 anos de trabalho ininterrupto à frente de uma paróquia. Um político da região e membro da comunidade foi convidado para entregar o presente e proferir um pequeno discurso.

O político se atrasou. O sacerdote, então, decidiu proferir umas palavras: A primeira impressão que tive da paróquia foi com a primeira confissão que ouvi. Pensei que o bispo tinha me enviado a um lugar terrível, pois a primeira pessoa que se confessou me disse que tinha roubado um aparelho de TV, que tinha roubado dinheiro dos seus pais, também tinha roubado a firma onde trabalhava, além de ter aventuras amorosas com a esposa do chefe. Também em outras ocasiões se dedicava ao trafico e a venda de drogas e para concluir, confessou que tinha transmitido uma doença à própria irmã".

"Fiquei assustadíssimo... Mas com o passar do tempo, entretanto, fui conhecendo mais gente que em nada se parecia com aquele homem... Inclusive vivi a realidade de uma paróquia cheia de gente responsável, com valores, comprometida com sua fé e desta maneira tenho vivido os 25 anos mais maravilhosos do meu sacerdócio".

Justo nesse momento chega o político, e foi lhe dado à palavra para entregar o presente da comunidade, prestando a homenagem ao padre. Pediu desculpas pelo atraso e começou o discurso dizendo: "Nunca vou esquecer do dia em que o padre chegou à nossa paróquia... Como poderia? Tive a honra de ser o primeiro a se confessar com ele...".

Moral da história: "NUNCA CHEGUE ATRASADO".