Mensagens de Boas Vindas

Segundo o Decreto de Amizade no 001 de hoje para todo o sempre, institui-se um regime de amizade verdadeira entre nós. Para que seja de pleno conhecimento de ambas as partes, que fica decretada que a nossa amizade deve durar a vida toda. Não poderá haver, entre nós, intrigas, brigas, inveja, traição, ou discussão.

Fica ainda decretado que entre nós deve haver sinceridade plena, mesmo que dizer a verdade em alguns momentos envolva constrangimento ou declaração que venha a magoar uma a outra. O importante é que haja boa intenção e boa fé nos atos, e que críticas sejam feitas sempre de modo construtivo.

Para efeitos da amizade, fica também acordado que as palavras de otimismo e ânimo devem sempre prevalecer, e que os sentimentos de alegria, amor, e felicidade devem ser cativados e recíprocos. A diversão é sempre bem-vinda.

E função de preservação e longevidade da amizade, deve-se manter o hábito de fazer telefones e visitas frequentes, envio de mensagens e conversas por WhatsApp. Saídas, passeios e baladas também devem constar na vida social das amigas, mesmo que alguma ou ambas estejam comprometidas em um relacionamento amoroso.

Caso alguma das pessoas envolvidas na amizade se sinta prejudicada, tem todo o direito de reivindicar os seus direitos, desde que esteja também cumprindo os seus deveres de amiga.

Disposição final:
Em caso drástico, se for de vontade das duas e se não houver modo de manter em vigor a amizade, esta pode dar-se por encerrada, pois a lei da amizade prega a felicidade, a paz e a harmonia.

Um dia na igreja eu me sentei num banco e ouvi o pregador dizer: – Nós precisamos de alguém para dar algumas aulas. Quem assumirá essa tarefa?
Eu senti Deus ao meu lado, sussurrando: – Filho, essa é para você.
– Mas, Senhor, falar para tanta gente é uma coisa que não sei fazer! O Sr. Carlos seria o homem ideal para chamar. Não há o que ele não saiba fazer. Eu prefiro ficar aqui no banco assistindo às suas aulas.
Um outro dia, ouvindo o coral, eu sentado no banco, escutei o maestro dizer: – Nós precisamos de alguém para voz principal nos cânticos. Quem quer assumir essa tarefa?
Novamente eu ouvi a voz de Deus sussurrando: – Filho, essa é com você.
– Mas, Senhor, cantar diante de uma multidão é uma coisa que eu não posso fazer! Mas há o Jonas, que poderá fazer isso. É melhor eu ficar ouvindo as músicas aqui sentado no banco.
Uma outra vez, eu sentado no banco, ouvi o pregador dizer: – Eu preciso de alguém para atuar como anfitrião na entrada da Igreja. Quem aceita essa tarefa?
Mais uma vez ouvi a voz de Deus sussurrando: – Filho, é algo que você pode fazer!
– Senhor, ficar falando com estranhos é coisa que não consigo fazer! Mas há o Mário, Senhor: ele pode dar boas vindas às pessoas. Não é retraído como eu e fará isso muito bem. Eu preferiria que alguém viesse me cumprimentar aqui no banco.
Os anos se passaram e eu nunca mais ouvi aquela voz. Até que uma noite eu fechei os olhos e acordei numa praia do céu. Éramos quatro lá, encontrando a eternidade: Carlos, Jonas, Mário e eu.
Deus nos disse: – Eu preciso só de 3 de vocês para fazerem um trabalho para mim.
– Senhor, eu farei o trabalho. – eu clamei – Não há nada que eu não faria.
... Mas Deus me respondeu: – Obrigado, meu filho, mas sinto muito: no céu não há bancos.